Alergia ao Ovo

O ovo é um dos alimentos mais completos que existem, sendo uma fonte importante de proteínas de alto valor biológico. Contudo, nalgumas pessoas, este alimento é responsável por uma reação alérgica.

Alergia ao Ovo

Saiba mais sobre a alergia ao ovo, os seus sintomas, como diagnosticar, o seu tratamento, e ainda, como prevenir.

Alergia ao Ovo

A reação alérgica resultante da ingestão do ovo deve-se à resposta imunitária do organismo a determinadas proteínas presentes neste alimento. Ovomucoide, ovoalbumina e a conalbumina são os principais causadores da reação alérgica ao ovo.

Sintomas da alergia ao ovo

Os sintomas da alergia ao ovo ocorrem após a sua ingestão, podendo manifestar-se entre 30 minutos a 4 horas depois do consumo do alimento. Os sintomas da alergia ao ovo incluem:

– dificuldades em respirar;

– respiração rápida e curta;

– língua inchada;

– garganta inchada;

– urticária (aparecimento de formações avermelhadas na pele);

– pressão baixa.

Diagnóstico da alergia ao ovo

Quando há suspeita da existência de alergia ao ovo, há alguns testes que podem ser feitos para aferir da presenta ou não desta alergia. A mais simples é o consumo de ovo, e observar a ocorrência de sintomas.

Neste teste basta verificar nas horas seguintes se aparecem os sintomas acima referidos. Há outros testes, realizados pelo médico, para confirmar ou despistar a alergia ao ovo: testes sorológico, teste cutâneo da alergia ao ovo, e ainda, o teste de provocação oral.

Neste último deve haver vigilância médica, pois há o risco de o paciente sofrer uma reação alérgica mais intensa, podendo provocar um grande inchaço na garganta e respetiva asfixia.

Tratamento para alergia ao ovo

Não existe um tratamento específico para a alergia ao ovo. Sendo uma doença mais comum na infância, em muitos casos ela acaba por desaparecer sem qualquer tratamento.

Durante a fase da vida onde o ovo causa uma reação alérgica, o tratamento para alergia ao ovo consiste unicamente na sua exclusão da alimentação, bem como de todos os alimentos que contenham ovo.

Bolos, biscoitos, alguns pães, e quaisquer outros produtos que tenham ovo na sua composição, devem ser excluídos totalmente da alimentação. É importante também analisar sempre os rótulos, pois alguns contêm vestígios de ovo, podendo causar também uma reação alérgica.

Como prevenir a alergia ao ovo

Sendo esta alergia mais comum na infância, especialmente nos primeiros anos, é essencial haver certos cuidados, de forma a prevenir a alergia ao ovo.

Esta prevenção pode ser feita com a introdução gradual e cuidada do ovo, por forma a verificar a ocorrência de sintomas da alergia ao ovo. Assim, aproximadamente aos nove meses deve ser dado um quarto da gema de um ovo cozido, e quinze dias depois, metade.

Desta forma, pode observar-se a ocorrência ou não de sintomas de uma forma segura para o bebê. Se nada ocorrer, deve-se introduzir a gema do ovo da dieta do bebê após atingir o nono mês, e o ovo inteiro apenas com um ano de idade.

Alergia ao ovo e as vacinas

Existem algumas vacinas que usam a clara do ovo no processo de fabrico.

Dessa forma, os indivíduos com alergias mais graves ao ovo, desde crianças a adultos, não podem receber este tipo de vacinas. Contudo, a maioria das pessoas tem apenas uma alergia mais leve ao ovo, podendo por isso tomar normalmente essas vacinas.

De qualquer das formas, se tem algum tipo de alergia ao ovo, deverá informar o médico, de forma a tomar-se a decisão mais adequada. No caso dos indivíduos com alergias mais graves ao ovo, o médico pode realizar um tratamento próprio, denominado de dessensibilização ao ovo, antes da administração da vacina.