Aneurisma da aorta abdominal – Tratamento, Riscos, Tipos, Diagnóstico, Sintomas e Causas

O aneurisma da aorta abdominal (AAA) é uma dilatação anormal localizada na artéria aorta abdominal. (Saiba primeiro o que é um Aneurisma).

Foto de Aneurisma da Aorta Abdominal

Um aneurisma é um inchaço num vaso sanguíneo, provocado pelo enfraquecimento na parede desse vaso. À medida que o sangue passa pelo vaso sanguíneo enfraquecido, a pressão do sangue provoca o inchaço dessa zona, como se fosse um balão. As razões que levam ao enfraquecimento da parede do vaso sanguíneo mantêm-se desconhecidas.

No entanto, acredita-se que fatores como o endurecimento das artérias, fumar e a hipertensão arterial, possam aumentar o risco da ocorrência de um aneurisma. Os aneurismas podem ocorrer em qualquer área do corpo, mas os dois locais onde é mais comum eles aparecerem é na aorta abdominal e no cérebro.

A aorta abdominal

A aorta abdominal é o maior vaso sanguíneo disponível em todo o corpo. Tem aproximadamente a mesma largura que uma mangueira de jardim. Ela transporta sangue arterial, rico em oxigénio, desde o coração até ao resto do corpo. Ela sai verticalmente do coração, no sentido descendente, pelo peito e abdómen, antes de ramificar-se numa rede de vasos sanguíneos mais pequenos.

Tipos

Este aneurisma pode ser distinguido em dois tipos: o aneurisma inflamatório da aorta abdominal, caracterizado por fibrose e infiltração de macrófagos de causas (etiologia) desconhecidas e o aneurismas micótico da aorta abdominal, no qual a placa do ateroma é infetada por microorganismos circulantes, tais como a Salmonella (um gênero de bactérias pertencentes à família Enterobacteriaceae), que neste caso causam um enfraquecimento da túnica média (camada intermediária de um vaso sanguíneo (artéria), localizada entre a túnica íntima (camada mais interior de uma artéria ou veia) e a túnica externa (camada externa da artéria), e aceleram o processo do aneurisma.

Causas

As causas exatas do processo degenerativo permanecem desconhecidas. No entanto, existem alguns fatores de risco que podem contribuir para este problema de saúde. (Conheça todas as causas).

Tabagismo

Mais de 90% das pessoas que desenvolvem um AAA, são ou já foram fumadores.

Álcool e Hipertensão

A inflamação causada pelo uso prolongado de álcool e os efeitos hipertensivos do edema abdominal, que conduz ao desenvolvimento de hemorroidas, varizes esofágicas, e outras condições, também é considerada uma causa a longo prazo do AAA.

Influência Genética

A influência dos fatores genéticos é altamente provável e é mais predominante em indivíduos do sexo masculino. Existem muitas hipóteses desta ser causada por uma doença genética.

Outras hipóteses de etiologia genética são alguns distúrbios do tecido conjuntivo, como a síndrome de Marfan (Aracnodactilia) e a síndrome de Ehlers-Danlos (Cutis elastica 1).

A policondrite recidivante e o pseudoxantoma elástico são mais 2 doenças de carater genético que podem causar o aneurisma da aorta abdominal.

Aterosclerose

Durante muito tempo a aterosclerose foi considerada uma das causas da AAA, isto porque as paredes deste aneurisma são frequentemente afetados. No entanto, esta hipótese não pode ser usada para explicar o defeito inicial e o desenvolvimento da oclusão vascular (obstrução do vaso sanguíneo).

Outras causas

Outras causas  incluem: infecção, trauma, arterite, necrose cística da média (NCM), também conhecida como necrose cística de Erdheim na aorta, Médio-necrose cística (Erdheim) e “degeneração cística da média”.

Sintomas

Este tipo de aneurismas são assintomáticos, tem tendência para não causar sintomas, embora, ocasionalmente, causem dor no abdômen e costas (devido à pressão exercida sobre os tecidos circundantes) peito, escroto (saco/bolsa testicular) ou nas pernas (devido ás alterações do fluxo sanguíneo).

Cerca de quatro em cada cinco pessoas com uma rutura num aneurisma da aorta abdominal acabam por morrer. O sintoma mais comum numa rutura é uma dor súbita e intensa no abdómen, tal como referido. Se suspeitar que você, ou alguém, tem uma rutura num aneurisma, chame imediatamente o 112, e peça uma ambulância.

Diagnóstico

O aneurisma da aorta abdominal é geralmente diagnosticado por exame físico, ultra-som (ultrassonografia (ou ecografia), ou tomografia computadorizada (TC). As radiografias simples do abdomen podem mostrar o esboço do aneurisma, quando as paredes das arterias estão calcificadas.

A Ultrassonografia (ecografia) é usada para fazer a triagem dos aneurismas e determinar o tamanho deste.

A tomografia computadorizada proporciona imagens bem precisas, dando uma leitura completa em relação ao limite, tamanho e localização do aneurisma, sendo também útil no planejamento pré-operatório, detalhando a anatomia e a possibilidade de reparação endovascular.

Outros métodos alternativos menos utilizados para a visualização do aneurisma incluem a ressonância magnética e a angiografia.

Complicações

A principal complicação é a rutura, o que representa uma ameaça à vida. Esta ruptura causa uma hemorragia interna massiva na cavidade abdominal, que pode conduzir à morte em poucos minutos.

A hemorragia leva a um choque hipovolêmico com hipotensão, taquicardia, cianose e alteração do estado mental. A mortalidade é de até 90%. 65-75% dos pacientes morrem antes de chegar ao hospital e 90% morrem antes de chegar à sala de cirurgia. A hemorragia pode ser retroperitoneal ou intraperitoneal. As equimoses nos flancos, também chamadas de sinal de Grey Turner (aparência de uma contusão) são um sinal de hemorragia retroperitoneal.

Tratamento

O objetivo do tratamento é prevenir que o aneurisma rebente. Isso é normalmente feito através de uma cirurgia vascular de substituição da zona enfraquecida do vaso sanguíneo, através de um excerto realizado com um tubo de tecido sintético (endoprótese) suportado por uma estrutura metálica com o nome de stent.

Contudo, as cirurgias preventivas acarretam um pequeno risco de causar complicações graves, mas são muito inferiores ao risco de ruptura. A cirurgia é recomendada quando o aneurisma tem cerca de: (> 5,5 cm de diâmetro).

cirurgia aberta e endovascularFigura – Aneurisma da aorta abdominal tratado por meio de cirurgia aberta (figura superior à direita) ou cirurgia endovascular (figura inferior à direita).

Existem ainda alguns tratamentos não cirúrgicos que são usados para reduzir o risco da rutura do aneurisma. Eles incluem um tipo de medicação conhecido como estatina, ou ainda, o abandono de hábito de fumar, se for esse o caso.

As Estatinas são um grupo de medicamentos utilizados para baixar o colesterol, em pacientes que têm o colesterol elevado (hipercolesterolemia), tendo portanto, um maior risco de desenvolvimento de aterosclerose.

Não existe nenhuma terapia eficaz na redução da taxa de crescimento destas situações. No entanto a pressão arterial e os lípidos devem ser tratados ou controlados como em qualquer doença aterosclerótica. Vários estudos sugerem possíveis efeitos protetores do tratamento com inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECAs), bloqueadores beta-adrenérgicos (beta-bloqueadores), e estatinas.

(Leia mais sobre o tratamento do aneurisma da aorta abdominal).

Quem é afetado?

Os aneurismas da aorta abdominal são mais comuns em homens com idades acima dos 65 anos, afetando por volta de 1 em cada 25 homens. O número de aneurismas da aorta abdominal que rebentam é bem menor, sendo que apenas 1 em cada 10.000 pessoas tiveram rutura deste aneurisma, em Inglaterra.

Prevenção

A melhor forma de prevenir o aparecimento de um aneurisma, ou reduzir o risco de um aneurisma crescer significativamente e possivelmente rebentar, é evitando quaisquer atividades que possam danificar os vasos sanguíneos, tais como:

– Fumar
– Dieta híper calórica
– Sedentarismo
– Peso excessivo ou obesidade

O que deve fazer:

– Tratar a hipertensão arterial
– Parar de Fumar
– Seguir uma Dieta pobre em gorduras
– Realizar uma ultrassonografia (ou ecografia) abdominal em homens com mais de 65 anos, com historial de tabagismo.