Câncer – Tratamento, Causas, Fatores de Risco, Sinais, Sintomas e como Diagnosticar

O câncer, ou cancro, de uma forma simples, denomina um problema de saúde caracterizado pela proliferação anormal de células. O processo é simples: formam-se mais células do que aquelas que o organismo necessita, enquanto que as velhas vêm o seu tempo de vida prolongado, demorando a morrer. Dessa forma, criam-se massas de células em excesso, formando-se um tumor. Um tumor pode ou não ser câncer, pois pode ter natureza benigna ou maligna.

Um tumor benigno não é considerado câncer. Os tumores benignos geralmente podem ser facilmente removidos, ou então, podem regredir naturalmente. As suas células, ao contrário das células cancerígenas, não metastizam, isto é, não se disseminam pelo corpo. Desta forma, é raro um tumor benigno que ponha a vida do paciente em risco.

Os tumores malignos, como o próprio nome indica, correspondem a um problema grave de saúde, sendo considerado câncer. Um tumor maligno é mais difícil de ser removido, pois muitas vezes volta a crescer. As células cancerígenas podem libertar-se do tumor original, metastizando, isto é espalhando-se e disseminando-se pelo organismo, aproveitando o sistema linfático e sanguíneo, podendo formar novos tumores noutras regiões (metástases). Estes tumores podem colocar a vida do paciente em risco, havendo alguns câncers onde essa probabilidade é muito alta.

O nome do câncer é dado de acordo com o local onde se desenvolveu o tumor inicial. Assim, se um câncer teve início no cólon, irá chamar-se de câncer do cólon, mesmo que acabe por afetar muitas outras áreas, através da metastização.

Como mencionámos atrás, as células cancerígenas podem libertar-se do tumor primitivo, entrando depois na corrente sanguínea ou no sistema linfático, que sendo sistemas de transporte, as irão transportar para todo o organismo. No entanto, é preciso explicar que mesmo metastizando noutros locais, os novos tumores serão compostos pelas células da área afetada inicialmente.

Por exemplo, se as células do câncer do pulmão espalharem-se e formarem um novo tumor nos ossos, esse não será um tumor ósseo, mas sim, um tumor formado por células dos pulmões numa zona óssea, devendo ser tratado de igual forma como o tumor original.

Quão comum é o câncer?

O câncer é uma doença bastande comum. Por exemplo, nesta nossa pesquisa ficámos a saber que em 2009, foram diagnosticados cerca de 320.467 novos casos de câncer no Reino Unido. Pelas estatísticas, uma em cada três pessoas irão desenvolver algum tipo de câncer durante a sua vida.

Os tipos de câncer mais comuns são:

• câncer de mama
• câncer de próstata
• câncer de pulmão
• câncer de intestino
• câncer de bexiga
• câncer uterino (útero)

Causas e Fatores de risco

Existem muitos fatores de risco para o aparecimento e desenvolvimento de um câncer. Contudo, dado o elevado número de possíveis causas e fatores de risco, iremos apenas apresentar os mais comuns e gerais.

Luz solar;
Envelhecimento;
Tabagismo e consumo de maconha;
Radiação ionizante;
Algumas hormonas;
Alguns químicos e substâncias;
Determinados vírus e bactérias;
Sedentarismo;
Alcoolismo;
Alimentação pobre e desequilibrada;
Obesidade.

Alguns destes fatores de risco estão diretamente ligados a escolhas pessoais no dia-a-dia. Ou seja, podem ser evitados. Outros, contudo, estão ligados a fatores ambientais difíceis de evitar, ou então, a fatores genéticos familiares. O historial clínico familiar é por isso bastante importante na prevenção ou deteção precoce de um câncer.

Sintomas

Como pode ter percebido, o câncer não tem um local específico onde pode aparecer e se desenvolver. Sendo assim, podem aparecer tumores malignos em qualquer zona do organismo. Dessa forma, os sintomas irão estar diretamente ligados às especificidades de cada tumor. Contudo, há um conjunto de sintomas mais habituais, dos quais damos aqui vários exemplos:

– Alteração de um sinal já existente (comichão ou mudança de aspeto ou de tamanho);
– Aparecimento de um sinal que não existia antes;
– Tosse e rouquidão persistente;
– Secreções ou hemorragias anormais;
– Cansaço e fraqueza excessiva;
– Aparecimento ou aumento de uma massa (seja na mama, na zona dos gânglios ou em qualquer zona do corpo);
– Mudanças significativas no funcionamento normal da bexiga ou do intestino;
– Sensação de desconforto após cada refeição;
– Dificuldade em engolir.
– Persistência na dificuldade de cicatrização de uma ferida;
– Perda ou ganho de peso, sem qualquer motivo aparente;

É importante referir que todos estes sintomas não indicam obrigatoriamente a existência de um câncer, já que podem também ser sinais de outro tipo de doenças, ou mesmo serem apenas situações temporárias, sem qualquer relação a nenhuma doença. Podem também ser sintomas de tumores benignos.

Assim, se tiver algum destes sintomas, não tire conclusões precipitadas. Consulte o seu médico, que irá pedir os exames necessários para perceber qual a origem desse ou desses sintomas.

No entanto, numa fase inicial dos câncers, os sintomas não são dolorosos. Por essa razão, muitas vezes demora-se algum tempo até consultar um médico. Se sentir qualquer um destes sintomas, deve dirigir-se imediatamente ao seu médico para confirmar ou não a existência de um cancro. Como referimos em cima, a deteção precoce é essencial para um tratamento mais eficaz para a doença.

Como Diagnosticar um Câncer

Se houver suspeita da existência de um câncer, ou se algum exame de rastreio der essa indicação, o médico irá procurar por diversas formas confirmar ou despistar esse cancro. Antes de mais, o médico irá começar pelo historial clínico e familiar, bem como, com um exame físico. Depois, poderão ser pedidos diversos exames, que darão ao médico informações importantes para fazer o diagnóstico. De seguida, apresentamos as restantes formas de diagnóstico:

– Análises clínicas;
– Biópsia (com agulha, cirurgia ou endoscópio);
– Tomografia computorizada (TAC);
– Radiografia (raios-X);
– Ultrassonografia;
– Estudo com radioisótopos;
– Tomografia por emissão de positrões (PET);
– Ressonância magnética;
– Estadiamento (conjunto de exames com o objetivo de saber o estádio, ou extensão, do tumor).

Tratamento

O tratamento para um determinado caso de câncer irá depender de vários fatores. Cada caso é um caso, e o tratamento deve ser sempre definido de acordo com as especificidades de cada caso. O plano de tratamento irá depender principalmente das condições do paciente (idade, estado geral de saúde) e do estágio da doença.

O objetivo do tratamento é normalmente a cura do câncer. Contudo, há casos onde não sendo possível essa cura, o objetivo é a redução dos sintomas e o controlo da doença, durante o maior período de tempo possível. Além disso, o tratamento para um câncer nunca é trabalho para um médico só, mas sim, para uma equipa multidisciplinar.

Logo que o câncer seja diagnosticado, e logo que esteja traçado o plano de tratamento, este terá o seu início. Geralmente, isso acontece poucas semanas após a confirmação do diagnóstico. Isto dá muitas vezes algum tempo ao paciente para poder procurar uma segunda opinião, ou então, para se preparar psicologicamente para o processo.

De seguida iremos apresentar as diversas formas de tratamento utilizadas no tratamento para o câncer. A maioria dos planos de tratamento para um paciente com câncer irá incluir várias formas de tratamento, entre os quais a radioterapia, quimioterapia e cirurgia, podendo envolver também terapêuticas biológicas e hormonais. Há também hoje em dia a opção de transplante de células estaminais, para que o paciente consiga receber uma dose mais elevada de quimioterapia e radioterapia.

Cirurgia

Neste tratamento, o médico irá remover o tumor e todo o tecido circundante. Com este processo tenta-se prevenir o reaparecimento de novos tumores. O cirurgião pode também remover os gânglios linfáticos dessa área. É um tipo de terapêutica local, visto atuar numa área localizada.

Quimioterapia

A quimioterapia é um tratamento consiste no uso de drogas, uma ou várias combinadas, que são colocadas na corrente sanguínea (via oral ou intravenosa), para circular por todo o organismo e destruir as células cancerígenas. É por isso uma terapêutica sistémica, pois atua em todo o organismo. Este tratamento é normalmente feito em ciclos, repetidos consoante uma determinada periodicidade, específica para cada caso.

Radioterapia

A radioterapia consiste na utilização de raios de energia muito elevados, direcionados para uma determinada área, para destruir as células cancerígenas. Este tratamento é normalmente local, havendo no entanto uma variante com capacidade de atuar em todo o organismo. De seguida, apresentamos os vários tipos de radioterapia: radiação externa (os raios provêm de uma máquina); radiação interna (por braquiterapia ou implante); e radiação sistémica (utilização de cápsulas ou líquido radioativo, que irá circular pelo organismo).

Terapêutica hormonal

Este tipo de terapêutica tem como objetivo impedir que as células cancerígenas possam utilizar hormonas produzidas no organismo para se desenvolverem. Este tipo de tratamento é apenas utilizado quando testes laboratoriais detetam a presença de recetores hormonais nas células cancerígenas. Como atua em todo o organismo, é também uma terapêutica sistémica.

Imunoterapia

Este tratamento, também denominado de terapêutica biológica, irá usar o sistema imunitário do organismo para combater o câncer.

Transplante de células estaminais

O transplante de células estaminais, ou seja, células indiferenciadas e imaturas, para o paciente, irá permitir que este possa receber doses mais elevadas de radioterapia, quimioterapia, ou ambas ao mesmo tempo. Como estes tratamentos destroem tanto as células cancerígenas como as células normais e saudáveis, a introdução das células estaminais irá permitir a rápida recuperação dos níveis de células normais no organismo. As células podem ser recolhidas do próprio paciente antes de receber o tratamento, como de outra pessoa.

Como Reduzir o risco de câncer

Fazer algumas mudanças simples no seu estilo de vida pode reduzir significativamente o risco de vir a desenvolver câncer. Por exemplo, fazer uma alimentação saudável, fazer exercício físico de uma forma regular, e não fumar, vai ajudar-lhe a reduzir o risco de vir a desenvolver um câncer.

Foto de Câncer de Pulmão

05. outubro 2013 by admin

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *