Clomifeno (Clomid, Indux, Serofene) – Indicações, Efeitos Secundários e Contra-indicações

O citrato de clomifeno é um princípio ativo de natureza não esteroide, e que devido às suas propriedades estrogénicas, pode estimular a ovulação em algumas mulheres que não conseguem ovular. A ovulação é o processo em que o ovário liberta um óvulo para as trompas de Falópio, a fim de ser fecundado.

Este processo tem uma periodicidade habitual de 30 dias. Assim, os ovários são os órgãos responsáveis pela reprodução na mulher, tendo como função adicional a produção de hormonas sexuais como a progesterona e o estrogénio. Estas duas hormonas atuam conjuntamente para que todo o sistema reprodutivo da mulher esteja preparado para receber o ovo, e tenha todas as condições que este se desenvolva até ao nascimento do bebé.

O estrogénio funciona de várias formas, tendo em conta que a sua função não é apenas preparar o sistema reprodutivo para a gestação. Com o início da vida sexual, ou seja, com o início da ovulação na puberdade, esta hormona terá como função estimular o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários da mulher, como por exemplo, os seios. O tecido mamário possui recetores, que ao se conectarem com o estrogénio, irão promover o crescimento desse tecido.

O funcionamento é o mesmo durante a ovulação. De cada vez que há a libertação de um óvulo, há também uma produção mais elevada de estrogénio. Este conecta-se a recetores existentes nos tecidos do útero, estimulando o espessamento do endométrio, de maneira a alojar o ovo caso ocorra fecundação.

A ovulação ocorre apenas se existirem quantidades adequadas de hormonas sexuais, não apenas de estrogénio, mas igualmente de todas como o LH (hormona luteinizante) e FSH (hormona estimuladora de folículos). O FSH provoca a proliferação das células foliculares dos ovários e estimula a produção de estrogénio.

Esta hormona é a responsável pelo início da vida sexual da mulher. O LH aumenta a produção das células foliculares, promovendo a ovulação. Existem diversas razões para uma mulher não ovular, mas todas irão provocar infertilidade.

O citrato de clomifeno pode ter uma ação positiva nalguns casos, especialmente relacionados com a produção do LH e do FSH. Este medicamento irá estimular o aumento da produção de FSH e do LH, o que permitirá um maior estímulo das células foliculares dos ovários, promovendo a ovulação.

O tratamento com este medicamento é dividido em 3 ciclos. Estes podem ser alternados ou contínuos, sendo essa escolha feita pelo médico. Depois do tratamento completo, a paciente deverá tentar engravidar. Se engravidar durante o tratamento, deverá interrompê-lo de imediato.

clomid

Indicações

Como já deve ter percebido pela explicação atrás, o contrato de clomifeno é indicado para casos de infertilidade. Contudo, como mencionámos anteriormente, há diversas causas para a infertilidade, e nem todas podem ser resolvidas com este tratamento.

Assim, este medicamento é apenas indicado para pacientes com ausência de ovulação comprovada, e sem quaisquer contra-indicações para o seu princípio ativo. As condições ideais para o sucesso deste tratamento estão relacionadas com níveis bons de estrogénio endógeno. No entanto, se a paciente tiver baixos níveis, pode ser também tentado o tratamento, pois poderá não impedir a sua eficácia. Pelo contrário, se o paciente tiver falha pituitária ou falha ovariana primária, o tratamento não tem qualquer eficácia.

Por vezes, algumas mulheres questionam se podem tomar este medicamento para regularizar o seu ciclo menstrual. A resposta a esta pergunta é não. Além de ser apenas indicada para o estímulo da ovulação, tem ainda um prazo máximo. Devem apenas ser feitos 6 ciclos, ao fim dos quais, mesmo que não se tenha conseguido induzir a ovulação, o tratamento deve ser terminado. Há estudos que apontam o uso exagerado deste medicamento com o aumento das hipóteses de adquirir cancro no ovário.

Contra-indicações

Gravidez e amamentação;
– Insuficiência hepática;
– Metrorragia (sangramento anormal do útero);
– Hipersensibilidade (alergia ao citrato de clomifeno);
– Cisto de ovário;
– Disfunção tireoideia ou adrenal (não controlada).

Efeitos secundários

Existem alguns possíveis efeitos colaterais provocados pela toma deste medicamento. Estes efeitos podem ocorrer em pelo menos 10% de todos os pacientes. Parece existir uma relação entre a dosagem e o tempo de tratamento com o aparecimento destes efeitos colaterais. Quanto maior a dosagem e quanto maior prolongado for o tratamento, mais frequentes são os efeitos secundários. Os efeitos secundários mais frequentes associados ao tratamento com o citrato de clomifeno incluem:

Aumento do volume do ovário

Geralmente este aumento regride naturalmente e de forma espontânea. Contudo, os pacientes com este efeito colateral devem ser tratados cuidadosamente.

Ondas de calor ou fogachos

Muito idênticos às ondas de calor da menopausa. Desaparecem com o final do tratamento.

Dores ou distensões abdominais

Estas sensações estão normalmente relacionadas com o aumento do óvulo, ou com a pré-menstruação. (Leia mais sobre: Dor Abdominal – Causas, Sintomas, Diagnóstico, Localização e Como Aliviar a Dor).

Além dos efeitos mais frequentes atrás descritos, há ainda outros que podem ocorrer:

– Alterações na visão: visão turva ou com manchas.
– Sintomas cutâneos: reações alérgicas, dermatite (eczema), equimose, eritema multiforme e edema angioneurótico.
– Disfunção hepática
– Alterações neurológicas: vertigens, insónias, tonturas, ansiedade, depressão, astenia.
– Neoplasias: miomas, tumores nos seios ou tumores hipofisários. Este tipo de ocorrências são muito raras.
– Enjoos.
Poliúria.
– Aumento de peso.
– Disúria.
– Hipersensibilidade nos seios.
– Mal-estar do estômago.
– Metrorragia funcional.

Algumas considerações importantes sobre o uso de Clomifeno

Se estiver a tomar o Clomifeno, deverá ter em conta o seguinte:
– Deve terminar imediatamente o tratamento em caso de gravidez ou suspeita de gravidez;
– Deverá ser acompanhada de forma a monitorizar um possível aumento do volume do ovário;
– Em caso de desenvolvimento de cistos ovarianos ou aumento do volume do ovário, interromper o tratamento;
– Deve terminar imediatamente o tratamento em caso de alterações visuais;
– Há um risco maior de ocorrer gestações múltiplas (gravidez múltipla);
– Deverá receber informação sobre como programar as relações sexuais e como detetar a ovulação.

Para saber se ovulou, há algumas técnicas que pode utilizar:

– Ultrassom transvaginal;
– Níveis de LH na urina (uso de um kit comparável ao da gravidez);
– Temperatura corporal basal (alguns dias antes da ovulação esta temperatura aumenta, mantendo-se elevada até 4 dias após);
– Níveis de progesterona no sangue (recolha do sangue uma semana antes da data habitual do período).

13. Outubro 2013 by admin
Categories: Farmacologia, Ginecologia e Obstetrícia, Medicamentos, Fármacos, Drogas e Remédios | Leave a comment

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Required fields are marked *