Diagnóstico do TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade)

Não existe um simples teste para determinar se a pessoa tem transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Se você acha que você ou o seu filho pode ter esta condição, consulte o seu médico.

Visitando o médico de família

O médico irá perguntar:

  • quais são os sintomas que o paciente sente
  • quando começaram esses sintomas
  • onde ocorrem os sintomas, por exemplo, em casa ou na escola
  • como os sintomas afetam a sua (ou do seu filho) qualidade de vida
  • se houve recentemente algum acontecimento, por exemplo, uma morte ou divórcio na família
  • se existe uma história familiar de TDAH (alguém com a doença na família)
  • se existem outros problemas, ou sintomas de outros problemas de saúde

Comprometimento Funcional

O médico de família vai querer saber se estes sintomas estão a causar algum prejuízo, diminuição ou dano funcional. Isso significa se estão a afetar a vida do dia-a-dia do paciente. Por exemplo, uma criança pode ter prejuízos funcionais, se:

  • for incapaz de fazer ou manter amigos
  • for incapaz de lavar ou alimentar-se

Avaliar a Criança

Se você é um pai cujo filho pode ter TDAH, pode receber treinamento ou realizar um programa de educação para ensiná-lo a usar técnicas comportamentais que irão ajudar o seu filho. Conheça algumas associações:

Portugal
http://www.appdae.net/phda.html
http://www.dah-a.com

Brasil
ABDA – Associação Brasileira do Déficit de Atenção

Se os sintomas estiverem a causar um comprometimento funcional grave, o médico de família encaminhará a criança para outro profissional de saúde, capaz de diagnosticar o TDAH.

Avaliar o Adulto

No adulto com sintomas de TDAH, o médico avalia os sintomas e pode encaminhá-lo para um especialista, se:

  • o paciente foi diagnosticado com o TDAH em criança, mas os sintomas começaram durante a infância e evoluíram desde então
  • os sintomas não são causados ​​por outra condição de saúde mental
  • os sintomas estão a causar um prejuízo funcional moderado ou grave, por exemplo, você está a ter um desempenho pior no trabalho ou nas relações íntimas.

Os adultos também podem ser encaminhados para um especialista, quando o TDAH lhes é diagnosticado em crianças e os sintomas estão agora a causar alguma incapacidade funcional moderada ou grave.

Especialidades

O médico de família pode encaminhar o paciente para os seguintes especialista:

  • Psiquiatra infantil ou adulto
  • Pediatra (especialista em saúde da criança)
  • Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental para crianças e jovens

O especialista para o qual será encaminhado o paciente, dependerá da idade deste e da disponibilidade desses serviços na sua área de residência.

Para um diagnóstico preciso será necessária uma avaliação detalhada, que pode incluir:

  • um exame físico, que irá descartar outras possíveis causas com os mesmos sintomas
  • uma série de entrevistas com o psiquiatra ou psicólogo
  • entrevistas ou relatos de outras pessoas próximas, como parceiros de sala de aula, pais e professores

Diagnóstico em Crianças e Adolescentes

O diagnóstico do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em crianças e adolescentes depende de um conjunto rigoroso de critérios. Para ser diagnosticada com TDAH, a criança deve ter seis ou mais sintomas de desatenção ou, seis ou mais sintomas de hiperatividade e impulsividade.

O tipo de TDAH que será diagnosticado na criança depende do número de sintomas que esta possui, de cada grupo. Por exemplo, se a criança tiver oito sintomas de hiperatividade e impulsividade e apenas três sintomas de desatenção, será diagnosticada com TDAH Tipo Hiperativo-Impulsivo.

Para ser diagnosticada com TDAH, a criança também deve:

  • ter exibido os sintomas continuamente por pelo menos seis meses
  • ter começado a apresentar os sintomas antes dos sete anos de idade – embora em alguns casos possa ser realizado o diagnóstico mesmo se os sintomas começarem após os 7 anos
  • apresentar sintomas em pelo menos 2 situações ou ambientes diferentes – por exemplo, em casa e na escola, para descartar a possibilidade de que o comportamento seja apenas uma reação a alguns professores ou ao controlo (domínio) dos pais
  • ter sintomas que tornem a sua vida muito mais difícil, a nível social, acadêmico ou ocupacional
  • ter sintomas que não sejam apenas parte de um distúrbio no desenvolvimento ou uma fase difícil, e não sejam melhor explicados por outra condição

Diagnóstico em Adultos

O diagnóstico da doença inclui a avaliação por médicos, com o exame de história pessoal, evidência observacional de familiares e relatórios que remontam aos anos escolares, etc, e testes neuropsicológicos, bem como avaliações para descartar outras possibilidades ou diagnosticar comorbidades (presença de uma ou mais perturbações adicionais (ou doenças) co-ocorrem com uma doença primária ou desordem).

Nos adultos é mais difícil realizar o diagnóstico do TDAH porque não existe nenhuma lista definitiva de sintomas que possa ser aplicada a um adulto que possa ter a doença.

O médico de família poderá encaminhar o paciente a um especialista para avaliar os sintomas presentes. No entanto, e sob as diretrizes atuais de diagnóstico, o diagnóstico do Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em adultos, nunca poderá ser confirmado, a menos que os sintomas estejam presentes desde a infância.

Para um adulto a ser diagnosticado com TDAH, os sintomas devem causar um grau moderado de prejuízo em diferentes áreas da sua vida. Alguns exemplos dessa incapacidade podem incluir:

  • Desempenho reduzido no trabalho ou na educação
  • Condução Perigosa
  • Dificuldade a realizar atividades diárias, como compras
  • Dificuldade em fazer ou manter amigos
  • Dificuldade no relacionamento com o parceiro

Se os problemas são apenas recentes e não ocorreram de forma regular no passado, não é considerado TDAH no Adulto.

Attention deficit hyperactivity disorder (ADHD) diagnose