Doença Autoimune – Tratamentos, Sintomas, Causas, Complicações e Prevenção

As doenças autoimunes são bastante conhecidas da população em geral, estando quase sempre associadas a problemas de saúde fatais, por isso é notório que há uma grande falta de informação geral sobre estas doenças.

Foto de Lúpus eritematoso sistêmico no rosto (formato borboleta)

Em termos resumidos, são um grupo de doenças diferentes do habitual, que têm como principal causa o facto do próprio sistema imunológico do organismo produzir anticorpos, que vão combater contra o organismo em si, não estando a fazer a sua principal função.

Por várias razões, nem sempre conhecidas e daí que haja tanto tipo de dúvidas em relação a este problema, o organismo identifica as próprias proteínas e composição como agentes invasores, que entram no organismo para o danificar, começando a atacar as mesmas sem controlo.

Assim, uma doença auto-imune é a tradução de uma situação esporádica relacionada com o nosso sistema imunológico, que não se encontra a funcionar da forma natural, causando assim vários outros problemas associados.

Portanto, antes de saber o que é, quais são as causas e sintomas da doença auto-imune, tendo em consideração que esta é dependente do sistema imunológico, é imprescindível conhecer todos os detalhes do mesmo, compreendendo o seu funcionamento e quais os motivos que o levam a falhar.

Tudo sobre o sistema imunológico

Antes de saber o que são as doenças auto-imunes é necessário que conheça bem o sistema imunológico para que as explicações posteriores se tornem mais fáceis de assimilar. Este é bastante complexo, principalmente para a maioria da população sem conhecimentos medicinais, por isso é importante também resumir tudo de forma clara.

O nosso organismo é composto por vários sistemas, sendo que um deles é responsável pela defesa do próprio, contra agentes exteriores, nas mais diversas formas (vírus, parasitas, bactérias, fungos, etc.), denominando-se de sistema imunológico.

Este sistema é capaz de reconhecer uma invasão de um agente exterior e travar a mesma o mais rápido possível, porém existem momentos que este não é capaz de fazer o seu trabalho sozinho e requer alguma ajuda.

Sempre que há uma possível invasão, o sistema imunológico produz células de defesa e anticorpos que visam essencialmente combater a mesma. Uma das grandes dificuldades deste sistema é saber exatamente a diferença entre uma invasão de um agente externo e algo natural ao organismo, requerendo por vezes alguns testes e até possíveis complicações para que funcione na perfeição.

Assim, a principal função do sistema imunológico é, assim que o organismo se depara com o mundo exterior (após o parto), começar a catalogar os possíveis ataques que podem surgir, identificando o que é natural e o que não é, para mais tarde criar as defesas necessárias.

Quando isto não acontece, o sistema não está a funcionar da forma correcta e surgem os vários problemas de saúde, muitos deles com bastantes cuidados necessários.

O que são as doenças auto-imunes ?

Como referido em cima, as doenças auto-imunes acontecem quando o nosso sistema de defesa do organismo, o sistema imunológico, não está a funcionar de forma correcta, tendo dificuldades em identificar as invasões de agentes exteriores, levando assim a que inicie a produção de anticorpos contra o próprio organismo, sem motivos aparentes.

As doenças auto-imunes, também muitas vezes identificadas como DAI para facilitar a comunicação, são mais de 100, sendo que algumas se tornaram mais populares que outras daí serem mais facilmente identificáveis.

Existem dois tipos dessas doenças, sendo que a diferença está no tipo de evolução que estas apresentam e também de acordo com o que interfere dentro do próprio organismo.

O nosso organismo deverá estar sempre funcional, sendo que cada sistema tem as suas funções, cada órgão a mesma coisa e até cada célula, por isso quando ocorre uma diferença de funções e principalmente de objetivos, o mais provável é que todo o organismo seja afectado.

Assim, uma doença auto-imune surge quando o sistema imunológico cria uma agressão contra o organismo, reconhecendo algo que é comum como um agente externo, desencadeando assim uma inflamação para a eliminar por completo.

No que diz respeito à gravidade da mesma, depende apenas dos órgãos que foram afectados, sendo que em alguns casos é possível ter uma vida completamente normal, apenas com alguns cuidados de acompanhamento, noutros casos a situação é completamente contrária e bastante mais grave do que possa parecer, afectando órgãos vitais que condicionam o bom funcionamento do corpo.

Tipos de doenças autoimunes

Como já foi falado antes, existem tipos de doenças auto-imunes, apresentando características distintas, levando assim a que seja necessário uma classificação para acompanhamento especializado.

Em termos práticos e resumidos, as doenças auto-imunes podem ser específicas de um único órgão ou então não específicas de órgão, sendo que no caso das doenças auto-imunes específicas de órgão o processo é dirigido a um único órgão, como é o caso da tiroidite de Hashimoto, a anemia perniciosa, a doença de Addison ou até a diabetes tipo 1.

Por outro lado as doenças auto-imunes não específicas de órgão, também denominadas de sistémicas, caracteriza-se pelas lesões em vários órgãos ou zonas do organismo, como o caso do Lúpus Eritematoso Sistémico, a Artrite Reumatóide ou o Sindroma de Sjogren.

Causas

Infelizmente, não existe conhecimento sobre as causas que levam às doenças auto-imunes a aparecerem, havendo no entanto algumas teorias que continuam a ser estuadas profundamente para que mais tarde se possam fazer diagnósticos mais rapidamente e com maior eficácia.

A causa mais provável, assente apenas na teoria mais usada pela maioria dos profissionais, é de que o sistema imunológico acaba por confundir uma proteína semelhante a outra que já funcionou como agente invasor, depois deste ter sido exposto a uma substância estranha ao organismo, chamada de antígeno.

Assim, em termos práticos, a causa mais provável para o aparecimento de uma doença auto-imune é a confusão que o sistema imunológico possa fazer comparativamente ás bactérias, proteínas e agentes invasores do organismo, tendo em consideração que já tem alguma experiência com essas invasões, devido a possíveis semelhanças que hajam cria uma confusão e reage de forma errada.

Ao contrário de outras doenças e problemas de saúde, nas doenças autoimunes não há alterações de vida ou hábitos que os pacientes tenham tido que possam influenciar para o seu aparecimento, sendo que poderá ocorrer em praticamente todas as pessoas, sem aviso prévio.

Por outro lado, os pacientes podem ter uma predisposição genética para a doença, o problema poderá ser causado também por fator ambientais ou, como na maioria dos casos, tudo é obtido através do desequilíbrio das células da composição do sistema imunológico.

Sintomas

Estamos a falar de doenças auto-imunes, isto é, são muitas as que podem surgir, sendo que cada uma delas apresenta características distintas e na maior parte dos casos têm também sintomas diferentes, que se apresentam ao organismo de distintas formas.

Tendo em consideração que as próprias doenças têm também sintomas e sinais específicos, alguns deles são comuns à grande maioria, como a o cansaço, a febre baixa, o desânimo com a vida e com as tarefas habituais e até um emagrecimento fora do vulgar, tendo em consideração que a maioria dos pacientes não apresenta alterações nas suas rotinas.

Quando nos referimos ao tipo de doenças auto-imunes que se centram apenas num órgão, o mais provável é que os sintomas sejam também bastante distintos, sendo que nestes casos o tratamento é relacionado com o órgão em si e a evolução do mesmo, com a única semelhança de que a sua causa foi uma doença auto-imune e por isso devem ser acompanhadas de forma especial.

Assim, é fácil perceber que não existem sintomas e sinais específicos das doenças auto-imunes, já que cada uma delas apresenta o seu quadro e os seus sinais.

Por isso, o diagnóstico da doença é bem mais complexo do que na maioria de outros doenças, sendo que este é feito tendo em consideração o sangue, o seu comportamento e a sua composição.

Exames de Diagnóstico

Como referido em cima, tendo em consideração que os sinais e sintomas são bastante ambíguos, os exames de diagnóstico são também mais cuidados do que normalmente seria necessário.

No primeiro contacto, quando os pacientes apresentam sintomas como cansaço, febre ou mal-estar geral, sem motivos aparentes, havendo alterações nomeadamente nos vasos sanguíneos, tecidos conjuntivos, tiróide e pâncreas, articulações, músculos, glóbulos vermelhos ou até mesmo na pele, o médico especialista irá realizar um exame físico completo, conhecendo assim todas as possíveis alterações que tenham ocorrido nos últimos tempos e que os pacientes tenham sentido.

Posteriormente, existem outros exames que podem ser realizados para complementar a informação, nomeadamente: testes de anticorpos antinucleares, testes de autoanticorpos, hemograma completo, proteína c-reativa (PCR) ou então taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR).

Tratamento

Tudo neste tipo de doenças é bem mais complexo do que na maioria dos casos, por isso até o tratamento requer mais cuidados por especialistas, já que os principais objectivos destes tratamentos prendem-se com a redução dos sintomas, para que os pacientes não tenham que alterar a sua vida ou sofrer com alterações de rotina necessárias, controlar também todo o processo de auto-imune do organismo e ainda manter a capacidade natural que o corpo tem em combater a doença propriamente dita.

É da responsabilidade do médico especialista a escolha do tratamento adequado para a doença específica, tendo em consideração os sintomas e sinais que surgiram, assim como também as consequência que trazem para o organismo.

Alguns pacientes, dependendo da evolução da doença, podem necessitar de repor determinados componentes do organismo em si, nomeadamente um hormónio ou uma vitamina que se encontra ausente, através de suplementos receitados pelos especialistas, como é o caso dos suplementos para a tiróide (tireoide), as vitaminas (variadas) e ainda a injeções de insulina.

No caso da doença propriamente dita afetar directamente o sangue, a sua função e composição, poderá ser necessário proceder a algumas transfusões de sangue.

No caso da doença afectar os músculos ou as articulações. o paciente poderá necessitar de ajuda para conseguir realizar tarefas que habitualmente fazia sem dificuldades, por isso poderá necessitar de acompanhamento nessa área, como sessões de fisioterapia.

Por último, em alguns casos são também receitados medicamentos que visam o controlo ou a redução da resposta do sistema imunológico, sendo que estes têm substâncias corticosteroides na sua composição, que visam o controlo absoluto do mesmo para que não piore o que já está feito.

Lista de Doenças Auto-Imunes

Como temos vindo a enunciar, existem várias doenças auto-imunes, sendo que umas são mais populares que outras, por isso o diagnóstico é também mais fácil e o tratamento mais adequado, por outro lado devido à inexistência de sinais ou sintomas, são muitos os pacientes que vivem muito tempo com o problema sem saberem do que se trata.

Fique a conhecer a listagem da grande maioria de doenças auto-imunes, nomeadamente 118 doenças conhecidas, podendo existir mais que ainda não foram abordadas por especialistas:

– Alopecia Areata
– Anemia Aplástica ou Aplásica
– Anemia Hemolítica Auto-imune
– Anemia Hemolítica Imune Induzida por Fármacos
– Angeíte Leucocitoclástica Cutânea
– Arterite de Células Gigantes
– Arterite de Takayasu
– Artrite Enteropática
– Artrite Idiopática Juvenil
– Artrite Psoriática
– Artrite Reactiva
Artrite Reumatóide
– Ataxia Cerebelosa (Anticorpos Anti-Descarboxilase do Ácido Glutâmico)
– Bronquiolite Obliterante Idiopática
– Cardiomiopatia Dilatada
– Cirrose Biliar Primária
– Colangite Esclerosante Primária
– Colite Ulcerativa
– Deficiência Adquirida do Factor X
– Degeneração Cerebelosa Paraneoplásica
– Dermatite Herpetiforme
– Dermatomiosite
– Diabetes Tipo I
– Doença Celíaca
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Protrombina
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor IX
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor V
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor VII
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor VIII
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor XI
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor XII
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor XIII
– Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Fibrinogénio
– Doença de Addison Auto-imune
– Doença de Behçet
– Doença de Crohn
– Doença de Goodpasture
– Doença de Graves
– Doença de Kawasaki
– Doença de Lyme
– Doença do Ouvido Interno Imuno mediada
– Doença Linear a IgA
– Doença Mista do Tecido Conjuntivo
– Doença Ovárica Auto-imune
– Doenças Indiferenciadas do Tecido Conjuntivo
– Encefalite de Rasmussen
– Encefalite Límbica
– Encefalite Límbica Imuno-respondedora associada a Anticorpos anti-Canais de Potássio
– Encefalomielite Paraneoplásica
– Epidermólise Bolhosa Adquirida
– Esclerodermia
– Esclerose Múltipla
– Esclerose Sistémica
– Espondilite Anquilosante
– Febre Reumática
– Fibrose Pulmonar Idiopática
– Gastrite Auto-imune
Glomerulonefrite Associada a ANCA
Granulomatose de Wegener
Hepatite Auto-imune Tipo 1
– Hepatite Auto-imune Tipo 2
– Hipofisite Auto-imune
– Líquen Plano Penfigóide
Lúpus Eritematoso Sistémico
– Miastenia Gravis
– Miocardite
– Neuromiotonia Adquirida
– Neuropatia Axonal Motora Aguda
– Neuropatia Axonal Sensitivo-Motora Aguda
– Neuropatia com Bloqueio da Condução Motora Aguda
– Neuropatia Sensitivo-Motora Adquirida Multifocal
– Neuropatia Sensitivo-Motora Desmielinizante Adquirida Multifocal
– Neuropatia Motora Multifocal com Bloqueio da Condução
– Neuropatia Panautonómica Aguda
– Neuropatia Periférica Desmielinizante Paraproteinémica
– Neuropatia Sensitiva Paraneoplásica
– Neuropatia Sensitiva Pura Aguda
– Neutropénia Auto-imune da Infância
– Neutropénia Auto-imune Primária do Adulto e Adolescente
– Neutropénias Auto-imune Secundária
– Orquite Auto-imune
– Pancreatite Auto-imune
– Pênfigo a IgA
– Pênfigo Cicatricial
– Pênfigo Foliáceo
– Pênfigo Gestacional
– Pênfigo Induzido por Fármacos
– Pênfigo Paraneoplásico
– Pênfigo Vulgar
– Pênfigóide Bolhoso
– Poliangeíte Microscópica
– Poliarterite Nodosa
– Polimiosite
– Poliradiculoneuropatia Desmielinizante Inflamatória Crónica
– Poliradiculopatia Desmielinizante Inflamatória Aguda
– Psoríase
– Púrpura de Henoch-Schönlein
– Púrpura Trombocitopénica Auto-imune
– Síndrome de Churg-Strauss
– Síndrome de Guillain-Barré
– Síndrome de Miller Fisher
– Síndrome de Morvan associado a Anticorpos anti-Canais de Potássio
– Síndrome de Sjögren
– Síndrome de Stiff-Person associada a Anticorpos anti-Descarboxilase do Ácido Glutâmico
– Síndrome de Von Willebrand Adquirida
– Síndrome de Cogan
– Síndrome do Anticorpo Antifosfolípido ou Sindrome de Hughes
– Síndrome Miasténico de Lambert-Eaton
– Síndrome Opsoclónico-mioclónico
– Síndrome Paraneoplásico de Stiff-Person
– Síndrome Poliglandular Auto-imune
– Síndrome SAPHO
– Tiroidite Auto-imune
– Urticária Crónica
– Uveíte Auto-imune
Vasculite Crioglobulinémica Essencial
– Vasculite de Pequenos Vasos Pauci-imune
– Vítiligo

Prevenção

Infelizmente, como já tinha sido mencionado, este é um tipo de doença bastante diferente do que habitualmente a população em geral está habituada. Enquanto que na maioria das doenças com pequenas alterações à rotina do paciente, existe uma prevenção direta, neste caso específico o paciente não terá qualquer tipo de intervenção na diminuição do risco de aparecimento de uma doença auto-imune.

Assim, para preocupação dos pacientes em geral, as doenças auto-imunes podem surgir quando menos se espera e sem existir uma relação direta com a vida do paciente, não havendo por isso uma prevenção conhecida pelos especialistas para a grande maioria destas doenças.

Possíveis Complicações

Por outro lado, existem vários tipos de possíveis complicações que os pacientes podem ter, desde os possíveis efeitos secundários que os medicamentos tenham, até mesmo à degradação completa do sistema imunológico e com isso o aparecimento de outro tipo de doenças que só vêm dificultar o tratamento.

O mais comum são as possíveis infecções que podem surgir, devido ao facto do sistema imunológico não estar a funcionar em pleno, tornando-se bastante difíceis de controlar e com isso o organismo encontra-se em risco iminente.

loading...

12. Junho 2014 by admin

Um Comentário no Forum

  1. Minha filha tem encefalite autoimune por herpes gostaria de saber um tratamento para voultar sua movimentação pois agora ela nao segura o corpo mass tem movimentos involuntário

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Required fields are marked *