Gastrite e Úlcera gástrica – Tratamento, Causas, Sintomas e Exames

O estômago é um órgão importante na digestão. Neste artigo iremos falar de dois problemas que o afetam, a gastrite e a úlcera gástrica e duodenal. Há quem confunda estas duas doenças, mas na realidade, apesar de afetarem as mesmas zonas, manifestam-se e têm consequências diferentes. Enquanto que a gastrite é uma inflamação do epitélio que reveste interiormente a parede do estômago, já uma úlcera gástrica é uma ferida dessa camada. Neste artigo iremos apresentar ambas as doenças, explicar em que consistem, quais as suas causas, sintomas e tratamentos.

foto de estomago humanoIlustração de um estômago humano inflamado em pacientes com gastrite.

O que é  a Gastrite

Como referimos atrás, existe gastrite quando o epitélio da parede do estômago incha ou fica inflamado. Podemos classificar a gastrite de crônica, quando tem uma duração muito prolongada, ou de aguda, quando tem uma duração curta.

Causas da gastrite

Existem diversas causas que provocam uma gastrite, sendo que a maioria delas tem um efeito agudo, isto é, de curta duração. De seguida apresentamos a lista de causas que dão origem a este problema.

– Ingestão excessiva de álcool e cafeína, como o café;
– Medicamentos, Toma prolongada de AINEs (anti-inflamatórios não esteroides, analgésicos, ácido acetil-salicílico (aspirina, AAS), e corticoides;
– Infecção com a bactéria Helicobacter pylori;
Insuficiência Renal Crônica;
– Refluxo da bílis do intestino para o estômago;
– Ingestão de cocaína;
– Ingestão de substâncias que provocam queimaduras ou corrosão de tecidos;
– Infecção viral (exemplo do vírus da herpes ou o citomegalovírus);
– Estresse físico ou psíquico em excesso e prolongado;
– Abuso de refrigerantes contendo fosfatos e ácido fosfórico;
– Gastroenterite aguda;
– Ingestão abusiva de erva-mate, também chamada congonha;
– Abuso do fruto Guaraná (Paullinia cupana);
– Degeneração da mucosa do estômago causada pela idade ou pelo refluxo biliar crónico;
– Anemia perniciosa (uma doença auto-imune).

Relativamente à gastrite crônica, a causa comum para este problema será a infeção pela bactéria H. pylori. Esta bactéria vive normalmente em ambientes ácidos, e sendo assim, sente-se muito à vontade no estômago. Contudo, a sua ação leva a que a camada que reveste e protege o epitélio seja destruída, deixando esta mucosa exposta aos ácidos estomacais.

O ácido gástrico, sendo muito ácido, irá então provocar a inflamação da mucosa do estômago. Como a infeção por H. pylori é persistente, se não for erradicada, a inflamação irá prolongar-se durante muito tempo, podendo até dar origem a uma lesão ou ferida do epitélio, transformando-se a gastrite numa úlcera gástrica.

Outra das possíveis causas da gastrite crónica é o refluxo da bílis do duodeno (parte inicial do intestino delgado onde são libertados a maioria dos sucos digestivos intestinais) para o estômago, o que provocará a inflamação do epitélio. Se esse refluxo se prolongar no tempo, também o mesmo acontecerá à inflamação.

Classificação e Tipos

A classificação da gastrite baseia-se na evolução, histologia e patogênese.

I. Gastrite aguda

A. Infecção aguda por Helicobacter pylori

B. Outras gastrites infecciosas agudas

  1. Bacteriana (diferente da Helicobacter pylori ).
  2. Causada pela bactéria Helicobacter heilmannii
  3. Gastrite Flegmonosa
  4. Mycobacterium (micobactérias)
  5. Uma complicação rara da Sífilis (gastrite sifilítica)
  6. Viral
  7. Parasitária
  8. Fúngica

II. Gastrite atrófica crônica

  • Tipo A: auto-imune, predominante no corpo do estômago.
  • Tipo B: relacionada com a Helicobacter pylori  predominante no antro do estômago.
  • Química (produzida por agentes inflamatórios, álcool, stress, tabaco).

III. Formas raras de gastrite

  • Linfocítica
  • Eosinofílica
  • Relacionada com a doença de Crohn
  • Relacionada com a Sarcoidose
  • Gastrite granulomatosa isolada

As causas mais comuns de gastrite aguda são infecciosas. A infecção aguda por Helicobacter pylori leva á gastrite. A gastrite por H. pylori, é descrita como um quadro que se apresentada abruptamente com dor epigástrica e, por vezes, náuseas e vómitos. Também se verifica um intenso infiltrado de neutrófilos (Granulócitos neutrófilos), com edema e hiperemia no estudo histológico. Se este quadro não for tratado com a devida atenção dará origem á gastrite crônica.

Após a infecção aguda por Helicobacter pylori pode ocorrer hipocloridria (acloridria), que poderá permanecer durante um ano ou mais. A hipocloridria pode ser um sinal de doença auto-imunes, devido á utilização prolongada de certos antiácidos, ou um sintoma de infecção por Helicobacter pylori,  anemia perniciosa, um efeito colateral da terapia de radiação (radioterapia), bypass gástrico ou de um tumor (carcinoma) neuroendócrino do pâncreas. A acloridria ocorre mais frequentemente com o uso de inibidores da bomba de protões, com bloqueadores de H 2 . Os níveis de vitamina B12 devem ser sempre monitorados em pessoas que tomam doses elevadas de bloqueadores H 2 por períodos prolongados.

Sintomas da gastrite

Geralmente, quando se trata de uma gastrite crónica, não existem sintomas. No entanto, no caso de gastrites agudas, existe um conjunto de sinais e de sintomas que se manifestam, como:

– Tonturas
– Sintomas relacionados com o doença de refluxo gastroesofágico, como a acidez no estômago;
– Indigestão;
– Perda de apetite;
– Azia;
– Dor abdominal e ardor na zona superior do abdómen (que pode piorar depois de comer), e na região epigástrica;
– Distensão epigástrica (região do estômago)
– Rapidez na sensação de ficar saciado, mesmo após uma refeição muito ligeira;
– Hemorroidas;
– Vómitos;
– Náuseas;
– Sangramento digestivo, Presença de sangue nas fezes (fezes escuras também chamado de melena) (Leia: Sangue oculto nas fezes – Exames, Resultados, Dieta e Medicamentos);
Vómitos com presença de sangue (hematêmese).

– Quando existe uma má absorção de Vitamina B12 e ácido fólico, pode ocorrer um tipo de anemia designado (anemia perniciosa) que será manifestada através de:

– Fraqueza;
– Ardência na língua (glossite);
– Irritação nos cantos dos lábios (comissurite);
– Diarreia;

Há três sintomas particularmente importantes, que ocorrerem. Deverá motivar a imediata marcação de uma consulta com o seu médico se: sentir persistentemente dor e ardor na zona superior do abdómen, se tiver fezes ou vómitos com sangue. As principais complicações desta patologia são perda de sangue e o aumento do risco de desenvolver câncer gástrico (carcinoma gástrico / câncer do estômago).

Exames de diagnóstico

De seguida, apresentamos os exames que permitem diagnosticar a gastrite:

– Exames de sangue;
– Exame de verificação de existência da bactéria H. pylori;
– Endoscopia digestiva alta (exame ao estômago) também conhecida como endoscopia do trato gastrointestinal superior;
– CBC (contagem completa de células sanguíneas);

– Exame de verificação da presença de sangue nas fezes
Outros: Urinálise, Raios X, eletrocardiograma (ECG), biópsia do estômago.

Tratamento da gastrite

A gastrite, tendo diversas causas subjacentes, tem também diversos tratamentos. Assim, para tratar este problema é necessário apontar à sua origem. Existem até alguns casos onde o tratamento nem é necessário, já que a causa é temporária, e logo que desapareça, também o mesmo acontecerá à doença.

Sendo um dos problemas causadores da gastrite o excesso de ácido no estômago, então o uso de medicamentos que irá reduzir essa quantidade pode ser importante e necessário. Exemplos deste tipo de medicamentos são os antiácidos, os antagonistas H2 e os inibidores da bomba de protões (pantoprazol, omeprazol, esomeprazol, etc), fármacos usados no tratamento de úlceras gastrointestinais. No caso da infeção por H. pylori, ao usar-se este tipo de medicamentos, reduz-se o efeito do ácido no epitélio estomacal.

O que é a Úlcera gástrica

A úlcera gástrica, péptica ou úlcera no estômago têm todas o mesmo significado, e designam-se por uma ferida na mucosa que reveste a parede interna do órgão digestivo, neste caso, o estômago. Ao lesionar a mucosa que reveste a parede, irá atingir os vasos sanguíneos, o que poderá originar a perda de sangue através dessa ferida.

A úlcera péptica é causada pela incapacidade na barreira protetora dessa mucosa a proteger contra a acidez do suco gástrico, e é na maioria das vezes causada pelo desgaste provocado pela bactéria H. pylori nessa barreira. No entanto, existem também outras causas comuns, que iremos apresentar à frente.

Causas

Existem diversas causas que originam o aparecimento de úlceras gástricas. Existem causas conjunturais, devido à má alimentação, combinada com o excesso de álcool e também de tabaco, estresse em excesso prolongado, ou ainda, a presença da bactéria H. pylori. Existem também causas estruturais, que se mantêm durante toda a vida, como é o fator genético.

Sintomas

A úlcera gástrica provoca vários sintomas, alguns deles bastante intensos. De seguida listamos os principais sinais e sintomas que indicam uma úlcera gástrica.

– Dor intensa na zona abdominal, que normalmente piora durante o ato de comer ou beber;
– Náuseas e vómitos;
– Ardor na zona superior do abdómen;
– Perda de peso;
– Cefaleias;

Exames de diagnóstico

De seguida apresentamos os exames que permitem diagnosticar a úlcera gástrica:

– Endoscopia digestiva alta (introdução de uma sonda com uma câmara no estômago, através da boca e do esófago, permitindo visualizar o interior do estômago, e possíveis feridas nas suas paredes);
– Biópsia do estômago para verificar a presença da bactéria H. pylori (retirada de uma pequena amostra de tecido na parede estomacal);
– Teste não invasivo de verificação da presença da H. pylori.

Tratamento

O tratamento para a úlcera gástrica irá ter como objetivo diminuir os estragos feitos no epitélio estomacal, para que esta se possa regenerar, e a ferida sarar. Assim, este tratamento irá consistir na toma de medicamentos antiácidos, mas também, na toma de medicamentos inibidores de bombas de protões.

Como esta doença causa bastantes dores e incómodo na zona abdominal, faz também parte do tratamento numa fase inicial medicamentos analgésicos. No caso de pessoas com maior propensão ao estresse, é também receitado um calmante, visto que, em alturas de grande estresse, o individuo produz mais ácido gástrico. Relativamente à bactéria H. pylori, utiliza-se um antibiótico para eliminar essa infecção.

Alimentação

A alimentação tem também um papel fulcral no tratamento da úlcera gástrica. Seja devido ao facto de ser uma possível causa, seja pela simples razão de auxiliar o tratamento através de ingestão de alimentos menos ácidos, uma alimentação correta é fundamental nesta fase. Assim, alimentos como pão integral, legumes, frutas, grãos, verduras cozidas, leite magro e seus derivados, e carnes magras devem ser privilegiados.

Os alimentos que promovam a produção e a secreção de ácidos gástricos, como o café, condimentos, molhos picantes, e frutos com uma componente fortemente ácida, devem ser evitados. Devem também ser evitados alimentos muito quentes, e refeições ricas em sal e gordura.