Impetigo – Sintomas, Diagnóstico, Prevenção, Tipos e Classificação

O impetigo é uma infecção da pele, bastante contagiosa que provoca úlceras e bolhas na pele. É uma infecção muito comum, afetando principalmente crianças.

Tipos e Classificação

Existem dois tipos de impetigo:

  • impetigo bolhoso, que provoca bolhas grandes cheias de líquido, sem dor
  • impetigo não bolhoso, que é mais contagioso que o impetigo bolhoso e provoca úlceras (erupções na pele) que deixam rapidamente uma crosta amarela-castanho

Sintomas

O impetigo não provoca quaisquer sintomas até quatro a 10 dias depois da exposição inicial à bactéria. Isto significa que as pessoas podem passar a infecção a outras sem se aperceberem que estão infetadas. Os sintomas de impetigo bolhoso e não bolhoso são descritos abaixo.

Impetigo bolhoso

Os sintomas do impetigo bolhoso começam com o aparecimento de bolhas cheias de líquido, que aparecem no dorso (parte central do corpo acima da cintura, excluindo a cabeça e pescoço) ou nos braços e pernas. As bolhas podem espalhar-se rapidamente, antes de romperem após vários dias deixando uma crosta amarela que se cura sem deixar cicatrizes. As bolhas não são dolorosas, mas a zona da pele circundante pode dar origem a comichão (coceira). Tal como no impetigo não bolhoso, é importante que não toque ou coce as zonas afetadas na pele. Febre e gânglios inflamados são os sintomas mais comuns em casos de impetigo bolhoso.

Impetigo não bolhoso (Contagioso)

Os sintomas de impetigo não bolhoso começam com o aparecimento de úlceras vermelhas em volta do nariz e boca. No entanto, por vezes também pode afetar áreas como a face e membros do corpo.

No impetigo não bolhoso as úlceras rompem rapidamente, deixando crostas amarelas-castanhadas. Após as crostas secarem, deixam marcas vermelhas que desaparecem com o tempo sem deixar cicatriz. O tempo que a vermelhidão demora a desaparecer é entre alguns dias a algumas semanas.

As úlceras não são dolorosas, mas podem igualmente dar coceira como o tipo bolhoso. É importante não tocar ou coçar nas úlceras pois pode espalhá-las a outras partes do corpo, bem como a outras pessoas. Outros sintomas de impetigo, como febre e gânglios inflamados são raros neste caso, mas podem surgir em alguns casos graves.

Quando o impetigo afeta a pele em estado saudável é referido como impetigo primário. Se a infecção for resultado de uma segunda condição da pele, como por exemplo o eczema atópico, é referido como impetigo secundário.

Causas

No Reino Unido por exemplo, o impetigo deve-se na maioria dos casos á bactéria Staphylococcus Aureus. Mas também pode ser provocado pela bactéria Streptococcus Pyogenes, presente em climas quentes.

Infecção Primária e Secundária

A infecção de impetigo pode ocorrer quando a bactéria invade a pele saudável através de um corte, picada de inseto ou outra lesão. Este é conhecido como impetigo primário.

Também pode ocorrer infecção quando a bactéria invade a pele como resultado de uma condição da pele subjacente, como o exemplo da pediculose, escabiose (sarna) ou eczema. Este é chamado de impetigo secundário.

A infecção cutânea do impetigo pode espalhar-se a outras pessoas através do contacto físico, partilha de toalhas ou flanelas. Como a doença não tem sintomas iniciais até quatro a 10 dias após a exposição inicial à bactéria, muitas vezes é espalhada a outras intencionalmente.

O impetigo é mais comum em crianças devido ao seu sistema imunitário ainda não estar totalmente desenvolvido, tornando-as mais vulneráveis a infecções deste género.

Devo falar com o médico?

Marque uma consulta de dermatologia se você ou os seus filhos apresentarem sintomas de impetigo. O impetigo normalmente não é grave, mas por vezes pode ser confundido com outras doenças da pele como o caso da celulite infecciosa, dermatite de contato e picadas de inseto. A consulta serve para isso mesmo, analisar a pele e saber do que realmente se trata.

Como Diagnosticar

Normalmente o impetigo é fácil de diagnosticar baseado nos sintomas que o paciente apresenta e excluindo outras condições da pele com sintomas semelhantes. Em alguns casos poderá ser necessário o paciente realizar mais exames que os habituais. Conheça algumas das condições de pele com sintomas semelhantes ao impetigo:

  • celulite infecciosa: infecção bacteriana das camadas mais profundas da pele e tecidos que se encontram por baixo da pele;
  • erisipela: a erisipela é uma infecção bacteriana da pele que geralmente afeta o rosto ou membros;
  • vírus Herpes simplex: vírus altamente contagioso, causador da herpes, que pode provocar feridas na boca (herpes labial) e genitais (herpes genital);
  • escabiose (sarna): doença da pele contagiosa que provoca comichão (coceira);
  • ectima: infecção bacteriana que afeta as camadas profundas da pele, muitas vezes classificada como uma forma de impetigo;
  • candidíase: infecção fúngica que provoca vermelhidão da pele sendo comum nas virilhas, axilas, entre os dedos e entre as dobras da pele;
  • dermatofitose: infecção da pele com sintomas que incluem áreas vermelhas e escamosas;
  • varicela (catapora): condição altamente infecciosa que provoca erupções na pele que dão vontade de coçar, rebentam e ficam com crosta;
  • herpes zóster (Zona): infecção de um nervo e da pele próxima dele. Os sintomas da herpes zóster incluem formigueiro, dor e erupção vermelha ao longo de um lado do corpo

Outras condições que se podem confundir com o impetigo incluem o eczema atópico (dermatite atópica), a dermatite de contato e as picadas de inseto. Os sintomas de impetigo por vezes também são semelhantes às queimaduras e escaldões.

Exames necessários

Por vezes são necessários mais exames para diagnosticar o impetigo em casos onde a infecção:

  • é grave ou bastante difundida
  • não responde ao tratamento
  • é recorrente (esteja sempre a voltar)

Nas 3 situações referidas, pode ser necessário o médico passar suavemente um cotonete na zona infectada de forma a retirar algumas amostras para serem examinadas. Os exames ajudarão a excluir ou confirmar outras doenças da pele que possam ser responsáveis pelos sintomas que o paciente apresenta.

Como Tratar

Normalmente o impetigo melhora sozinho, sem necessidade de tratamento, em duas a três semanas. No entanto, pode ser recomendada a aplicação de cremes antibióticos devido à facilidade com que a infecção se espalha. O perigo de contágio desaparece na maioria dos casos em 48 horas após tratamento, ou assim que as feridas sequem e cicatrizem. Para minimizar o risco da dispersão do impetigo é aconselhável:

  • evitar tocar nas feridas
  • lavar as mãos regularmente
  • não partilhar toalhas, lençóis e roupas de flanela
  • manter as crianças ausentes do infantário, recreio ou escola até as feridas cicatrizem completamente

Leia mais sobre o tratamento para impetigo.

Quem é afetado

O impetigo geralmente afeta as crianças. Isto devido aos ambientes, como escolas e infantários, onde a infecção se dissemina facilmente. O impetigo também pode afetar os adultos, especialmente quando estes vivem em ambientes confinados, como por exemplo Quarteis Militares. O impetigo não bolhoso é o tipo de impetigo mais comum, responsável por mais de 70% dos casos.

Complicações

As complicações do impetigo são raras. No entanto a infecção por vezes pode espalhar-se aos linfonodos ou gânglios linfáticos e causar linfadenite, ou progredir para a camada mais profunda da pele e dar origem á celulite infecciosa.

Leia mais sobre as possíveis Complicações do Impetigo.

Como Prevenir

O impetigo é muito contagioso, e é muito importante tomar precauções de higiene para impedir que a infecção se transmita a outras pessoas. Os conselhos descritos abaixo ajudarão a prevenir a transmissão da infecção.

  • mantenha as crianças longe do infantário, recreio ou escola até as feridas terem cicatrizado, as bolhas desaparecido ou ficado em crosta ou até 48 horas após iniciar o tratamento;
  • não partilhe flanelas, toalhas ou lençóis com pessoas infetadas e lave-os sempre a temperaturas elevadas depois de usar;
  • lave as feridas com sabão e água e cubra-as com uma gaze ou curativo;
  • não toque nas feridas;
  • lave as mãos frequentemente, especialmente após tocar na pele infetada;
  • evite o contacto com recém-nascidos até o risco de contágio passar (quando a ferida tiver uma crosta, ou 48 horas após iniciar o tratamento com antibióticos);
  • os brinquedos que possam ser lavados, devem ser lavados. E limpe bem os brinquedos que não possam ser lavados com um pano bem humedecido em detergente e água e deixe-os secar;
  • trate os casos suspeitos ou confirmados rapidamente;
  • cubra cortes e feridas com um curativo.

Para prevenir que o impetigo retorne, mantenha sempre as feridas e arranhões limpos, e certifique-se de que qualquer condição que provoque fissuras na pele como o eczema é tratada rapidamente.