A Manutenção do Implante Dentário

A manutenção do implante dentário é um tema ao qual, infelizmente, ainda não é dada a devida importância.

Ainda que todos os pacientes se encontrem informados relativamente às consequências de uma manutenção inadequada, elevada é a percentagem daqueles que parecem não demonstrar qualquer tipo de preocupação com as mesmas, negligenciando assim todo o conjunto de práticas de higienização indispensáveis para a manutenção de qualquer tipo de implante dentário.

Ao contrário daquilo que se possa pensar, a manutenção de um implante dentário não é particularmente complicada, uma vez que é, na verdade, bastante semelhante aos cuidados que devem ser adoptados com a dentição natural.

Estima-se que um implante dentário de boa qualidade possa durar mais de 25 anos, havendo até já casos de pessoas que conseguiram mantê-lo por mais de 30. No entanto, segundo os especialistas das áreas da odontologia e implantodontia, uma durabilidade tão avançada quanto esta só poderá ser alcançada através de um seguimento minucioso de todos os cuidados sugeridos pelos especialistas de saúde oral.

(Leia: Quanto tempo dura um Implante Dentário).

O desrespeito por estas recomendações poderá, muitas vezes, resultar no desenvolvimento de problemas de saúde oral de difícil resolução, que geralmente acabarão por levar o paciente a gastar elevadíssimas quantias de dinheiro no seu tratamento. Assim como acontece com os dentes naturais, uma má manutenção dos mesmos é, geralmente, responsável pela esmagadora maioria das doenças dos dentes e das gengivas que afecta boa percentagem da população de todas as faixas etárias.

Felizmente, evitar riscos de elevada gravidade para a saúde oral é uma tarefa que poderá revelar-se surpreendentemente simples, bastando, para isso, respeitar devidamente todos os cuidados ideais de manutenção de um implante dentário.

Problemas originados por uma manutenção descuidada

Doenças das gengivas

As doenças das gengivas são, sem sombra de dúvida, a principal razão pela qual a manutenção de um implante dentário é tão importante. A acumulação bacteriana pode, em casos mais extremos, dar origem a certas inflamações que, quando não devidamente tratadas, poderão desenvolver características cancerígenas, o que, não afectará apenas a saúde oral do paciente, mas também a saúde geral do seu organismo.

O que contribui para tornar este risco ainda mais alarmante é o facto de bastar apenas algumas falhas no seguimento de uma boa rotina de higienização para se verificar o desenvolvimento de pequenas infecções que, com o tempo, poderão alastrar e comprometer a integridade das gengivas e de toda a cavidade bucal.

Complicações na saúde das gengivas são particularmente comuns durante o período de recuperação, em que as mesmas ainda se encontram sensibilizadas pelas incisões efectuadas durante o processo cirúrgico, exigindo assim cuidados redobrados em todos os procedimentos de higienização e manutenção dos implantes.

Ainda que bastante resistentes e viáveis, os materiais que compõem os implantes dentários poderão desenvolver deformações passíveis de interferir com o bem-estar das gengivas. Por melhor que seja a qualidade dos materiais utilizados, a mesma só oferecerá os resultados pretendidos caso o utilizador do implante assuma totalmente a responsabilidade de assegurar a manutenção da sua qualidade, prevenindo assim que se deteriorem rapidamente com o tempo e dêem origem a complicações de elevada gravidade para o paciente.

Danificação dos implantes

Um dos problemas que mais afecta os implantes dentários é a corrosão dos materiais. Esta corrosão ocorre naturalmente, e é potenciada pela acção do tempo. No entanto, quando a qualidade dos materiais é de topo, essa corrosão levará décadas até que comece a exercer qualquer tipo de impacto na funcionalidade dos implantes.

Ainda que a qualidade dos materiais seja cada vez maior, o que ajuda a diminuir as probabilidades de corrosão, a verdade é que, a acumulação bacteriana, poderá fazer com que os mesmos se desgastem mais rapidamente, diminuindo assim a sua durabilidade. Para além dos problemas já referidos para as gengivas, esta corrosão pode, também, originar o desenvolvimento de instabilidade por parte do implante e, em alguns casos, até mesmo a sua queda.

Isto, por sua vez, levará o utilizador do implante a gastar ainda mais dinheiro na reparação dos danos causados pela má manutenção, o que acabará por se revelar extremamente dispendioso. Se vai investir financeiramente na colocação de implantes, então é importante que faça todos os possíveis para preservar esse investimento, caso contrário o mesmo revelar-se-á inútil.

Tendo em conta a durabilidade que caracteriza os implantes de hoje em dia, vale a pena explorá-la ao máximo, em vez de simplesmente contribuir para afectá-la negativamente.

Parte do problema está associado ao facto de, muitas pessoas, por saberem que os materiais são desenvolvidos com o objectivo de resistir ao máximo às mais diversas acções do tempo, acabarem por cair no erro de achar que a viabilidade dos mesmos é uma garantia, e que nada terão de fazer para preservá-la.

Infelizmente, os implantes comportam consigo imensas responsabilidades, e quem não souber respeitá-las e assumi-las, acabará sempre por vir a sofrer consequências extremamente negativas.

Principais cuidados de manutenção

Os implantes dentários têm como objectivo principal funcionar como uma alternativa de substituição da estrutura dentária natural. Uma vez que é suposto funcionarem como componentes naturais, também deverão ser tratados como tal. Assim sendo, a manutenção dos implantes dentários não deverá ser muito diferente da manutenção dos dentes naturais, pelo que, as dificuldades associadas à mesma são extremamente reduzidas.

Quem sabe como cuidar de dentes naturais, certamente que saberá como cuidar de implantes dentários. Esta manutenção não requer ciência absolutamente nenhuma, sendo que, o mais importante, será sempre responsabilidade e dedicação por parte do utilizador dos implantes.

Os cuidados a serem adoptados poderão variar ligeiramente de caso para caso, consoante a natureza do implante e as necessidades pessoais de cada paciente. Geralmente, os procedimentos são semelhantes para quase todos os casos, havendo apenas algumas alterações que podem ser feitas caso o paciente tenha como objectivo optimizar o máximo possível os resultados retirados das manobras de manutenção.

De seguida, fica uma pequena lista dos mais importantes cuidados a serem adoptados por pare de quem possui implantes dentários, quer múltiplos, quer unitários.

Visitas periódicas ao dentista

Ainda que se possa revelar financeiramente desgastante, este é um importante passo a ser levado a cabo por qualquer pessoa que utilize implantes dentários. Falhar em visitar periodicamente o seu especialista de saúde oral poderá contribuir para que alguns problemas de saúde e complicações com a estrutura do implante não sejam diagnosticados atempadamente, o que, não só acabará por originar o desenvolvimento de novos problemas, como também um maior nível de dificuldade no tratamento daqueles já existentes.

É difícil afirmar com certeza a regularidade com que deverá visitar o seu dentista. No entanto, esse é um assunto que não deverá deixar de esclarecer com ele, de modo a poder seguir à risca quaisquer que sejam as recomendações que lhe sejam feitas dentro desse âmbito.

A importância das idas periódicas ao dentista não se deve apenas à necessidade de efectuação de despistes, mas também de limpezas orais, que eficazmente actuarão no combate à acumulação bacteriana e, consequentemente, ao aparecimento de problemas com os implantes e a saúde oral do paciente. Ainda que alguns destes procedimentos se possam revelar dispendiosos, haverá sempre a possibilidade de aderir a um bom plano de saúde, que ajudá-lo-á a poupar quantias bastante satisfatórias, sem para isso ter de sacrificar a qualidade do serviço.

Higienização

Idealmente, a escovagem deverá ser efectuada após cada refeição. Em caso de impossibilidade de adopção dessa rotina, é importante não deixar de efectuar uma boa escovagem, pelo menos, duas vezes por dia. Isto é essencial para evitar o desenvolvimento abundante de bactérias potenciado pela presença de restos de alimentos na boca.

Para além das próteses e das gengivas, as bochechas, o céu da boca e a língua também deverão ser delicadamente escovados, uma vez que é nessas zonas que se encontra a maior concentração de bactérias. Ao levar a cabo este procedimento logo após acordar e antes de dormir, estará a diminuir drasticamente as probabilidades de vir a desenvolver qualquer tipo de problema de saúde oral.

Os produtos a serem utilizados na higienização poderão variar consoante as necessidades de cada paciente e características do implante. Há casos em que é perfeitamente aceitável que o paciente utilize uma escova e dentífrico normais. No entanto, também poderá ser necessária a utilização de escovas, dentífricos e elixires especiais, destinados a suprimir as necessidades de quem possui implantes dentários.

Estes produtos especiais apresentam, geralmente, características que os tornam menos corrosivos, ajudando assim a preservar os materiais e a evitar inflamações gengivais. Neste assunto, deverá sempre seguir as recomendações do especialista de saúde oral, e nunca utilizar nada que não tenha recebido a sua aprovação.

Também importante, é a utilização regular de um fio dental. Ainda que a esmagadora maioria da população raramente o utilize, a verdade é que, um bom fio dental, de grande utilidade se poderá revelar na limpeza eficaz dos dentes e das gengivas, removendo pedaços de comida presos entre os dentes, que dificilmente poderiam ser removidos com a ajuda de uma simples escova.

Os especialistas acreditam que estes pedaços de comida que ficam presos entre os dentes representam os principais responsáveis pela ocorrência de infecções e doenças das gengivas, pelo que, a utilização de um bom fio é de vital importância para qualquer pessoa que queira zelar pela manutenção de uma boa saúde oral.

Antes da utilização de um fio dental é necessário que procure aconselhamento junto do seu dentista sobre como utilizá-lo de modo a não danificar os materiais nem as gengivas. Da mesma forma, também vale a pena prestar atenção máxima à qualidade do fio utilizado, uma vez que nem todos se poderão revelar adequados para o seu caso em particular.

Alimentação

Uma rotina alimentar desregrada também poderá exercer um certo peso no desenvolvimento de problemas com os implantes. Assim como acontece com os dentes naturais, determinados alimentos poderão revelar-se pouco favoráveis à preservação da integridade dos materiais, daí ser necessário começar a prestar à forma como se alimenta.

Não terá de se submeter a alterações drásticas na sua rotina alimentar. No entanto, uma diminuição acentuada no consumo de alimentos extremamente adocicados e ricos em cafeína poderá ajudar a evitar o desgaste precoce dos implantes. Uma alimentação o mais natural possível, não só beneficiará os implantes, como também a sua própria saúde, o que, por sua vez, também influenciará a durabilidade dos implantes.

Para que os mesmos durem o tempo previsto, é necessário que as gengivas se apresentem saudáveis. E para que tal aconteça, o organismo deverá estar devidamente nutrido. Só assim haverá a oportunidade de se alcançar os melhores resultados possíveis.

Mantenha-se muito bem informado relativamente a este tópico, e evite comer o que quer que seja que o seu dentista não lhe aconselhe. Dependendo muito da idade do paciente e das características dos implantes, as recomendações deverão variar significativamente. No entanto, será sempre importante não negligenciá-las, pois isso ajudá-lo-á a levar um estilo de vida muito mais saudável.

Fotos

Veja algumas Fotos de Implantes Dentários Antes e Depois