Mastite da Amamentação – Tratamento, Sintomas, Causas e Prevenção

Um dos problemas que ocorre durante a amamentação é a mastite. Esta condição, bastante dolorosa, é muitas vezes razão para a mãe deixar de amamentar. A mastite é uma inflamação da glândula mamária, muito frequente nas primeiras semanas depois do parto, especialmente nas mães que amamentam.

Tipos de Mastite

Existem dois tipos de mastite: a mastite puerperal (mastite lactacional) e a não puerperal. A segunda ocorre noutras situações que não sejam pós-parto, e a primeira, na sequência do parto, sendo esta a que se considera mastite da amamentação.

Causas da mastite da amamentação

Existem duas principais causas para a inflamação da glândula mamária: a mastite infecciosa e a mastite por entupimento dos ductos mamários. Relativamente à mastite infecciosa, esta é originada por bactérias habitualmente presentes na pele da mãe ou na boca do bebé, que irão invadir as glândulas mamárias, através do mamilo (onde há a saída do ducto mamário), de uma ferida ou de rachaduras frequentes durante a fase de amamentação.

Depois de penetrar na glândula mamária, as bactérias irão multiplicar-se e propagar-se, causando um quadro de inflamação, com vermelhidão, dor, e inchaço, que terá como consequência a obstrução do ducto mamário.

Quanto à mastite por entupimento dos ductos mamários, esta pode ocorrer, não devido a qualquer infecção, mas por qualquer razão que impeça o leite de sair totalmente, provocando a sua acumulação nos ductos mamários. Esta acumulação irá provocar a inflamação das glândulas mamárias.

Uma das causas deste tipo de mastite é o esvaziamento insuficiente da mama, muitas vezes devido à dificuldade de certos bebés para conseguir mamar, ou devido ao facto de a glândula mamária produzir mais leite do que aquele que o bebé ingere. Por essa razão é que a melhor forma de aliviar os sintomas é com a retirada de leite, seja com amamentação, seja com o auxílio de uma bomba para extrair o leite (bomba de extração de leite).

Sintomas

Seja qual for o tipo de mastite, os sintomas serão idênticos, caracterizando-se especialmente por dor nos seios e sintomas febris. De seguida, deixamos o quadro completo de sintomas provocados pela mastite.

– Calafrios;
– Febre (superior a 38ºC);
– Mal-estar;
– Dor intensa nos seios;
– Seios endurecidos;
– Seios mais inchados;
– Seios mais quentes.

Tratamento

Se não for tratada, a mastite pode progredir e transformar-se num abscesso mamário (pequenos nódulos com pus) (Leia: Inflamação – O que é, Evolução, Tipos,  O que é um abscesso), o que obriga a uma drenagem cirúrgica. Outra das possíveis complicações de uma mastite da amamentação está relacionada com a propagação do leito acumulado nos ductos mamários para o tecido mamário adjacente, o que originará o aumento da inflamação, e o consequente agravamento da dor.

É preciso ainda lembrar que se uma mãe sofre de mastite da amamentação durante o pós-parto, é muito provável voltar a ocorrer várias vezes durante a amamentação, ou mesmo numa gravidez seguinte. Assim, em caso de sofrer de uma mastite, deverá consultar imediatamente o médico, pois pode ser necessário o uso de medicamentos (antibióticos, em caso de infecção, analgésicos para a dor e anti-inflamatórios para a inflamação) para o seu tratamento e para alívio dos sintomas.

No caso de uma mastite infecciosa, o tratamento, se houver necessidade de antibióticos, prolonga-se geralmente por 15 dias. Se após esse período os sintomas não desaparecerem, deverá consultar novamente um médico. Existe uma outra doença, um tipo de cancro da mama raro, que pode ser confundida com a mastite infecciosa, por ter os mesmos sintomas (inchaço e vermelhidão). Dessa forma, se os sintomas não pararem após 15 dias, deverá dirigir-se ao médico de forma a despistar essa possibilidade.

Há ainda um conjunto de cuidados, sem necessidade de medicamentos, que levam ao alívio dos sintomas. Esses cuidados terão como principal objetivo ajudar à saída do leite, o que diminuirá a dor e a inflamação provocada pela sua acumulação nos ductos mamários.

Entre esses cuidados, podemos referir a própria amamentação para estimular o fluxo de leite (ao mesmo tempo que ajuda a retirar o leite em excesso, é também uma forma de continuar a providenciar ao bebé a melhor forma de alimentação para a sua idade), o consumo generoso de água, ou a aplicação de compressas mornas sobre a área afetada.

Como Prevenir

Como já mencionámos atrás, existem alguns cuidados que ajudam a aliviar os sintomas provocados pela inflamação das glândulas mamárias. De seguida iremos apresentar mais alguns cuidados que ajudarão a aliviar as manifestações, ou mesmo, impedir a ocorrência da mastite.

– Quando sentir a mama demasiado cheia, ou se o bebé não mamou o suficiente para a esvaziar, retirar o leite com o auxílio da bomba de leite;
– Antes de mudar de mama, esvaziá-la completamente;
– Na refeição seguinte do bebé, começar pela mama que deu em último lugar;
– Não deixar que o bebé use o mamilo como chupeta, não chupando o leite;
– Usar um sutiã próprio e reforçado;
– Não amamentar utilizando sempre a mesma posição;
– Usar um creme próprio para os seios, com características nutritivas, de forma a prevenir o aparecimento de rachaduras e feridas na zona do mamilo.