Mau Hálito (Halitose) – Tratamento, Causas, Alimentos e Prevenção

A halitose é o termo médico que se refere ao mau hálito. O mau hálito não é propriamente uma doença, mas sim um sintoma de vários desequilíbrios que ocorrem no organismo, provocando um odor bastante desagradável vindo da boca durante a expiração.

No Brasil, o mau hálito tem também o nome de “bafo de onça“, que resulta do facto deste animal, por manter inúmeros pedaços de carne presos entre os dentes, forma na sua cavidade bucal um cheiro extremamente desagradável.

foto de mau hálito

As causas podem ser múltiplas, desde a falta de higiene oral, ou um sintoma de doenças graves, como o câncer de pulmão, insuficiência hepática, ou uma gastrite crônica, embora na maioria tenha a sua origem na boca.

Este é também um “tabu social“, e, como resultado, por vezes, desenvolvem-se problemas psicológicos e sociais, tais como a ansiedade social e a depressão.

Não existe um tratamento específico para o mau hálito, mas sim para a doença ou desequilíbrio que o causa. Este problema acaba por não afetar especialmente o portador, já que o olfato se adapta muito rapidamente ao novo hálito, mas sim para quem se encontra por perto, pois são estes que se apercebem do odor desagradável.

Neste artigo iremos escrever um pouco sobre as causas e o tratamento deste problema, explicando detalhadamente os dois problemas que são geralmente a causa mais frequente do mau hálito, como a saburra lingual (Língua branca ou saburrosa) e os cáseos amigdalianos (caseum ou tonsilólito).

Epidemiologia

Tem uma prevalência na população em geral. Estima-se que mais de 50% das pessoas sofram deste problema em algum momento da sua vida. A halitose é muito frequente de manhã ao acordar, depois de várias horas de sono, isto devido á baixa produção de saliva quando as nossas estruturas da boca descansam. É mais comum em pessoas com mais de 50 anos.

Causas do Mau Hálito

Como referimos em cima, existem diversas causas para o mau hálito. Hoje em dia conhecem-se mais de 50 causas, sendo a grande maioria de origem bucal. O Jejum prolongado, uma dieta inadequada, hálito da manhã, higiene oral deficiente, bactérias, produção insuficiente de saliva, doenças das gengivas (gengivite), diabetes, problemas nos rins e no fígado, entre outras, são algumas das possíveis causas. De seguida iremos indicar com maior detalhe algumas origens para este problema.

Existem também outras causas odontológicas em que se incluem, aparelhos dentários mal ajustados, infecções fúngicas da boca, e as cáries dentárias.

A boca seca ou secura da boca (também chamada no mundo da medicina de xerostomia) também pode causar mau hálito. Tal como já referido, a saliva é necessária para umedecer e limpar a nossa boca, neutralizando os ácidos produzidos pela placa bacteriana e limpar as células mortas que se acumulam na língua, gengivas e bochechas. Se esses ácidos não forem removidos, estas células decompõem-se e pode causar o mau odor. A xerostomia pode ser causada pelos efeitos colaterais de vários medicamentos, ou devido a problemas nas glândulas salivares.

Alimentos que causam mau hálito

Existem alguns alimentos que têm propriedades odoríferas e promovem o aparecimento do mau hálito. Assim, alimentos como o alho, a pimenta, cravo da índia, cominho, a cebola, ou qualquer outro que tenha um odor forte, podem causar mau hálito temporário.

foto de alimentos que causam mau hálito

O queijo, azeitonas, ovos, goiaba, mamão, a maionese, azeite, chocolate, leite, iogurtes, manteiga, creme de leite, salame, presunto, mortadela, couve, couveflor, brócolis, repolho, sardinha, alcachofra e todas as bebidas que contêm álcool, são alguns dos alimentos a evitar.

Há ainda a questão relacionada com uma má higiene oral, em que os restos dos alimentos nos dentes irão acumular-se e provocar um odor desagradável.

Causas bacterianas

A boca é um local onde existem vários microrganismos, entre os quais bactérias. Assim, ao acumular-se resíduos de alimentos entre os dentes, essas bactérias irão proliferar e acumular-se em vários locais, entre os quais as gengivas, a língua, a garganta e o palato.

Por exemplo, a língua é um local de eleição das bactérias bucais para se acumularem, criando uma camada esbranquiçada, que é normal ver-se de manhã, após acordar. Além disso, ocorre também a fermentação dos resíduos alimentares, que originam a produção do gás sulfeto de hidrogénio, que tem um cheiro muito desagradável.

A forma que o organismo tem de combater estas bactérias é através da saliva. Este líquido (saliva), além de lavar a boca, ajudar na digestão, e lubrificar as mucosas bucais, e ainda é rico em oxigénio. Sabendo que as bactérias bucais são anaeróbias, ou seja, adaptadas a locais com pouco ou mesmo com ausência de oxigénio, o contacto da saliva elimina essas bactérias.

Assim, a diminuição da produção de saliva tem uma ação prejudicial no combate ao mau hálito. Por exemplo, é normal acordar com mau hálito já que durante o tempo de sono não há ingestão de comida. Assim, as glândulas salivares reduzem a produção, sendo normal durante esse tempo a pele da cavidade bucal ressecar, e haver maior proliferação das bactérias, provocando este problema.

Segundo um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade Dentária de Fukuoka, no Japão, a Helicobacter pylori, uma bactéria que vive exclusivamente no estômago humano, causadora de úlceras e certos tipos de gastrite, está também associada ao mau hálito.

Causas sistêmicas

Além de causas naturais e as alimentares, existem ainda as causas sistêmicas (não relacionadas com a boca) mas sim, com algum distúrbio ou doença. Assim, uma das origens do mau hálito pode ser o desequilíbrio da trimetilamina durante a digestão, onde o organismo tem nos seus genes a incapacidade de metabolizar esta substância orgânica presente nos alimentos.

As pessoas que sofrem deste problema, também denominado de Trimetilaminúria (síndrome do odor de peixe), irão desenvolver um odor característico, bastante desagradável, na sua urina, no seu suor, e também no seu hálito. Este cheiro agrava-se ainda mais quando há a ingestão de alimentos ricos em colina, como por exemplo: soja, gema de ovo, manteiga, amendoim, batata, couve-flor, lentilha, aveia, sementes de gergelim e sementes de linhaça.

Fetor hepaticus (foetor hepaticus): Um exemplo de mau hálito causado pela insuficiência hepática crônica. Também conhecida como respiração dos mortos ou foetor hepática, esta é uma condição observada em pacientes com hipertensão portal (um sinal tardio de insuficiência hepática e uma das características clínicas da encefalopatia hepática).

Infecções do trato respiratório inferior (infecções dos brônquios e pulmão): Embora muitas vezes usada como sinônimo de pneumonia, também pode ser aplicada a outros tipos de infecção, incluindo abscesso pulmonar e bronquite aguda.

Infecções do trato respiratório superior: Um dos primeiros sinais e sintomas de faringite ou amigdalite é o mau hálito.

Infecções renais (nefrite) inflamação dos néfrons nos rins, e insuficiência renal.

Carcinoma:  Termo médico para o tipo de câncer mais comum que ocorre nos seres humanos. O carcinoma geralmente surge a partir das células originárias da camada endodérmica ou ectodérmica durante a embriogénese.

Diabetes mellitus: é um grupo de doenças metabólicas em que uma pessoa tem os níveis de açúcar no sangue elevados, quer porque o pâncreas não produz insulina suficiente, ou porque as células não respondem à insulina que é produzida no pâncres. Estes níveis de açucar elevados no sangue produzem os sintomas clássicos de poliúria, polidipsia (aumento da sede) e polifagia (aumento da fome).

Distúrbios Gastrointestinais: Hérnias hiatal, refluxo gastroesofágico e divertículo de Zenker (divertículo faringoesofágico), Síndrome de má absorção, carcinoma gástrico, bezoar (uma massa ou pedra encontrada no sistema gastrointestinal) e gastrite com presença de Helicobacter pylori tal como já foi referido acima.

Distúrbios Metabólicos: Por exemplo, através de níveis elevados de sulfureto de dimetilo (dimetilsulfeto) de origem sistêmica (intestinal, hepática, ou pulmonar).

De seguida iremos explicar de forma mais detalhada as duas causas mais frequentes da halitose, nomeadamente a saburra lingual e os cáseos amigdalianos.

Saburra lingual

A saburra da língua é uma massa que é composta por várias substâncias, entre as quais bactérias, células resultantes da descamação da cavidade bucal, saliva e restos de alimentos, e que irá aderir à língua. Esta é a principal causa do mau hálito, juntando vários dos fatores que causam o mau odor da boca. Mesmo havendo uma higiene cuidada e constante com a boca, muitas vezes a saburra continuará sempre a formar-se, a não ser que se descubra a causa que está por trás do problema.

Cáseos amigdalianos

Os cáseos amigdalianos são massas de pequenas dimensões, que irão formar-se e ocupar as criptas amigdalianas (pequenas cavidades nas amígdalas), tendo uma constituição muito idêntica à da saburra lingual. Quando se fala, ou se tosse, ou mesmo durante o ato de espirrar, estas pequenas massas são expelidas, e devido ao seu odor intenso e repulsivo, o hálito torna-se assim desagradável.

Tratamento

Antes de mais, e como referimos em cima, para se tratar a halitose é necessário atacar a raiz do problema. Assim, se o seu mau hálito tem origem na boca, o especialista que deve consultar é um médico dentista. Já se tem origem no nariz, na faringe ou nas amígdalas, o médico mais indicado será um otorrinolaringologista.

Para saber se tem algum problema, já que muitas vezes a própria pessoa não se apercebe de que sofre de mau hálito, há algumas formas de você próprio fazer o diagnóstico. Assim, poderá fazer um autoexame à sua língua com a ajuda de um espelho, onde poderá verificar a presença ou não da saburra lingual, que geralmente é uma massa de cor branca ou amarela, que se acumula na zona posterior da língua, ou então, poderá pedir a alguém em quem confie e se sinta à vontade para lhe dizer se o seu hálito lhe cheira mal ou não. É importante ser alguém que seja completamente sincero consigo, já que muitas vezes existe vergonha em dizer que o hálito de outra pessoa é desagradável.

Quem trata o mau hálito?

Na maioria dos casos, o dentista é o profissional de saúde indicado. Quando o dentista determina que a sua boca está saudável e que o odor não é de origem oral, poderá então ser encaminhado para o seu médico de família que indicará um especialista para determinar a fonte do problema e o seu plano de tratamento. Se o odor for devido a doença periodontal, por exemplo, o dentista pode tratar a doença ou encaminhá-lo para um periodontista, (dentista especializado no tratamento de doenças da gengiva).

Pode também seguir alguns conselhos que ajudarão a prevenir, aliviar, e quem sabe, por vezes até resolver o problema. O mau hálito pode ser reduzido ou evitado, se você:

Praticar uma boa higiene oral. Escovar os dentes duas vezes por dia com um creme dental antibacteriano com flúorpara remover o restos de comida e placa bacteriana. Escove os dentes sempre a seguir ás refeições (mantenha sempre uma escova de dentes no trabalho ou na escola para escovar sempre os dentes após o almoço). Não se esqueça de escovar a língua também. Troque a escova a cada dois ou três meses. Use fio dental ou um limpador interdental para remover as partículas dos alimentos e a placa existente entre os dentes uma vez por dia. No caso de usar dentaduras, estas devem ser sempre removidas durante a noite e cuidadosamente limpas antes de serem colocados na boca, na manhã seguinte.

Consulte um dentista regularmente – Pelo menos duas vezes por ano, realize um exame oral e uma limpeza dos dentes. Através de um exame o dentista será capaz de detetar e tratar a doença periodontal, boca seca, ou outros problemas que podem ser a causa do mau odor da boca.

Parar de fumar / ou mastigar produtos à base de tabaco. Pergunte ao seu dentista dicas sobre como largar o hábito do tabaco.

Beba muita água. Esta dica irá manter a sua boca húmida. Mascar chiclete (de preferência sem açúcar) ou chupar doces (de preferência sem açúcar) também estimula a produção de saliva, que ajuda a lavar as partículas de alimentos e bactérias.

Mantenha um registro dos alimentos que come. Se você acha que existe algum alimento ou medicamento que pode estar a causar mau hálito, leve esse registro ao seu dentista. Da mesma forma, faça uma lista dos medicamentos que toma. Alguns fármacos podem desempenhar um papel importantissimo na criação de odores da boca.

E mais:

– Ter uma higiene oral correta e adequada;
– O uso de antissépticos orais antes de dormir;
– Sempre que lavar os dentes, deve-se escovar a língua, preferencialmente com a ajuda de um antisséptico oral;
– Evitar o consumo de álcool, tabaco e café;
– Não ficar muito tempo em jejum;
– Fazer um bom pequeno-almoço;
– Mascar todos os dias uma pastilha sem açúcar.