Sangue oculto nas fezes – Exames, Resultados, Dieta e Medicamentos

Sangue oculto nas fezes refere-se ao sangue nas fezes que não é visivelmente aparente. Assim, não havendo qualquer alteração nas características das fezes, apenas é possível identificar-se a presença destas pequenas quantidades de sangue através de um exame de sangue apropriado (Leia: Exames de Sangue – Exames laboratoriais mais comuns), como por exemplo o teste do guaiaco, um dos vários métodos que detectam a presença de sangue fecal oculto.

Neste artigo iremos explicar o que é e como se faz este exame, quais os métodos usados, que dieta seguir e medicamentos não tomar, que tipo de doenças podem estar associadas com o sangue oculto, e que interpretações dar a um resultado positivo. Assim, este exame irá ajudar a fazer o diagnóstico de diversas doenças, sendo ainda essencial para o seu tratamento.

Métodos para Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes

Sangue oculto nas fezes

Teste do Guáiaco

A reação do Guáiaco é uma técnica baseiada na reação do guáiaco, uma resina natural extraída a partir da madeira da Guaiacum officinale, uma árvore nativa do Caribe e da costa norte da América do Sul, que tem como princípio a atividade pseudoperoxidase da hemoglobina, liberando o oxigênio do peróxido de hidrogênio do heme, que por sua vez catalisa a oxidação dos compostos fenólicos presentes no guáiaco (incolor) resultando na formação de quinona colorida (azul). O guaiaco é também aplicado para o tratamento da sífilis, estimular o sistema digestivo, tratar o reumatismo, dores de garganta causadas pela faringite e laringite e aliviar dores de dentes.

Teste de Haemocult

Utilizado pela primeira vez em 1967, por David H. Greegor, na Alemanha, o Teste de Haemocult é um teste de rastreio simples que detecta sangue nas fezes (movimentos intestinais). É um teste muito sensível e pode detectar um pequeno traço de sangue antes mesmo que seja visível a olho nu. Em medicina, o prefixo “heme” refere-se a sangue, como em “hematologia”. O sangue que está escondido ”a olho nu” é chamado de sangramento “oculto” , daí o nome Hemoccult para “sangue oculto”.

O exame baseia-se na recolha de 3 amostras de fezes que são espalhadas em uma camada fina na parte da frente de um envelope para teste, no qual serão aplicadas duas gotas de solução (resina do guáiaco) para revelação. Caso o exame apresente resultado positivo, após 30 segundos haverá uma coloração azul a qual provem da conversão do guáiaco incolor pela ação da atividade pseudoperoxidase na presença de um desenvolvedor presente no envelope que contém peróxido de hidrogênio. Caso seja negativo não haverá mudança de coloração.

Teste HEXAGON OBScreen

Esse método é composto de um papel impregnado com guáiaco emoldurado por um cartão grosso que permite a aplicação de amostras de um lado e o desenvolvimento e interpretação de outro lado. Quando uma amostra fecal contendo sangue oculto é aplicada no papel teste, o contato é feito entre a hemoglobina e o guáiaco. A reação da pseudoperoxidade ocorrerá após 30 segundos com a formação do cromatógeno azul.

Reação da benzidina (teste de Adler Ascarelli)

A técnica consiste em espalhar uma pequena quantidade de fezes sobre o papel de filtro limpo e colocar duas gotas de água oxigenada sobre o esfregaço. Adicionar duas gotas de solução de benzidina. Observar a cor imediatamente. Se não houver mudança de cor, a reação é negativa. Cor esverdeada-azulada é reação fracamente positiva, sendo a cor azul intensa indicativo de reação positiva.

Reação de Meyer-Johannessen

Esse método consiste na redução da fenolftaleína pelo zinco para anidrido ftálico, que é oxidado pelo oxigênio liberado da água oxigenada pelo sangue, transformando-se de novo em fenolftaleína. Tem-se uma coloração vermelha pelo fato do meio ser alcalino. Coloca-se 5 ml de uma diluição de fezes próximo a 5% em um tubo de ensaio e adiciona 0,5 a 1,0 ml do reativo de Meyer-Johannessen , em seguida, duas a quatro gotas de água oxigenada. Caso haja presença de sangue, surge uma coloração vermelha imediatamente. As diferentes variações da coloração avermelhada são classificadas em positivas de uma a quatro cruzes.

Os testes citados acima requerem uma dieta especial antes do exame feita pelo paciente.

Exame de fezes imunoquímico

Esse método é um teste imunoensaio cromatográfico utilizando dois anticorpos monoclonais para a detecção da hemoglobina humana nas fezes. Este é o único método no qual são dispensados os cuidados e preparativos dos pacientes, citados como essenciais para todas as demais técnicas citadas. Pelo fato de utilizar anticorpos criados contra a molécula de globina da hemoglobina humana, esse teste detecta a presença intacta de hemoglobina humana ou os produtos da sua degradação precoce. Eles evitam a interferência de compostos que são conhecidos por afetar os testes de sangue oculto.

Neste artigo iremos explicar o que é e como se faz este exame, que tipo de problemas está por trás do sangue oculto, e que interpretações dar a um resultado positivo. Assim, este exame irá ajudar a fazer o diagnóstico de diversas doenças, sendo ainda essencial para o seu tratamento.

Teste de sangue oculto nas fezes

A pesquisa se sangue oculto nas fezes será então um exame através do qual é possível identificar e detetar a presença de quantidades pequenas, não visíveis a olho nu, nas fezes. Através deste exame é então possível conferir a existência de alguma hemorragia no tubo gastrointestinal. Se tal se confirmar, deve-se então identificar a origem da hemorragia para de seguida se começar o tratamento adequado.

Ou seja, a pesquisa de sangue oculto nas fezes é feita através de um exame retal, onde é coletado pelo médico uma pequena amostra das fezes. Esta amostra é depois colocada em contacto com um papel de filtro apropriado, com substâncias químicas, que irão reagir se as fezes tiverem sangue. Este exame pode também ser feito em casa, já que existe um kit que inclui os papéis de filtro com as substâncias químicas já impregnadas.

O paciente coletará 3 amostras de 3 evacuações diferentes, e juntará a um pedaço de papel de filtro, entregando depois a um laboratório onde serão analisadas. Se se verificar a presença de sangue, então deverão ser feitos exames complementares de forma a identificar a origem da hemorragia. Só assim é possível fazer um diagnóstico exato, de maneira a ser definido o tratamento mais adequado.

Quando se deve fazer o exame de sangue oculto?

Este teste deve ser feito de forma frequente a partir de uma determinada idade. Assim, as pessoas com mais de 50 anos devem fazer periodicamente este teste, já que o risco de desenvolvimento de cancro do cólon é maior a partir desta altura. Como este cancro não se manifesta a não ser numa fase mais avançada, é essencial fazer exames periódicos para que seja detetado a tempo, antes de começar a fazer metástases.

O cancro do cólon, ou cancro do intestino grosso, é um dos mais comuns, sendo a causa de morte mais frequente entre os não fumadores. Normalmente o aparecimento deste cancro é associado a uma dieta pobre em fibras, e rica em lípidos, atacando tanto homens como mulheres. Este tipo de dieta irá favorecer um trânsito intestinal mais lento, o que fará com que as fezes permaneçam mais tempo dentro do intestino grosso.

Este facto irá promover o possível aparecimento de pequenos tumores benignos que se desenvolvem na mucosa intestinal, e que mais tarde poderão evoluir para tumores malignos. Geralmente aparece após os 50 anos, sendo ainda mais comum em pessoas com familiares próximos acometidos pela doença. Como referimos em cima, este tipo de cancro apenas apresenta sintomas quando se encontra numa fase mais avançada. Os principais sintomas desta doença são fadiga constante, a modificação da rotina de evacuação das fezes, a modificação da sua forma, sangue nas fezes, perda de peso, obstipações ou diarreias frequentes, cólicas abdominais e vómitos.

Existem também outras patologias que podem ser detectadas através destes exames e incluem: cancro do estômago (cancro gastroesofágico ou cancro gástrico), sangramento gastrointestinal (Sinônimos: Sangramento GI inferior; Sangramento GI; Sangramento GI Superior), diverticulose, hemorróidas, fissuras anais, pólipos do cólon, colite ulcerativa (colite ulcerosa), doença de Crohn, doença celíaca (enteropatia glúten-induzida), doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), esofagite, úlcera pépticas, gastrite, doença inflamatória intestinal (DII), ectasia vascular, Gastropatia hipertensiva portal, fístula aorto-entérica, hemobilia, endometriose, e traumas físicos.

Resultado positivo de sangue oculto nas fezes

No caso do cancro do cólon, este não apresenta sintomas até chegar a um estado mais avançado, e como o sangramento dos pólipos numa fase inicial é muito pequena, a presença de sangue nas fezes não é visível. Assim, através da pesquisa de sangue oculto nas fezes é possível detetar um possível sangramento.

Mas atenção, se o teste der positivo, isso não significa que esteja com cancro. A presença de sangue pode ter múltiplas possíveis origens, e só através de exames complementares será possível perceber qual a causa dessa hemorragia. No entanto, é fundamental este exame para se perceber que algo não está bem.

Resultado positivo de sangue oculto nas fezes

O sangue nas fezes é um indicador comum a todos os tipos de cancro nos intestinos. Contudo, existem outras possíveis causas para esse sangramento que já foram referidas, como pequenas fissuras no ânus, diverticulose, hemorroidas, úlceras no estômago ou no duodeno. Há ainda situações onde por vezes as fezes ficam avermelhadas, não sendo no entanto derivado a nenhuma hemorragia. A ingestão de certos alimentos ou o uso de alguns medicamentos podem tornar as fezes mais vermelhas ou escuras.

Dieta e Medicamentos

Devido ao fato do teste ser baseado na reação com a atividade da heme peroxidase, faz com que o teste possa ter reação positiva com outras peroxidases nas fezes, presentes em certos alimentos ou medicamentos. Portanto, deve-se fazer uma dieta especial e rigorosa com restrições antes da coleta da amostra. O paciente deve fazer uma dieta específica por 3 a 4 dias antes de realizar o exame, não podendo ingerir carne vermelha, certas frutas como banana, melão; hortaliças como rabanete, nabo, brócolis, couve-flor, espinafre, tomate.

Restringe-se igualmente o uso de medicamentos como corticosteróides, quimioterápicos, aspirina, antiinflamatórios não hormonais e suplementos alimentares contendo ferro, ou altas doses de vitamina C, por apresentarem o potencial de provocar pequenas perdas sanguíneas do trato gastroinstestinal superior, e também não deve ser coletada amostra durante ou dentro de três dias de um período menstrual. As bebidas alcoólicas devem ser descontinuadas nos sete dias que antecedem a colheita da amostra. Caso os pacientes não sigam as orientações corretamente, ou os procedimentos adequados para o preparo dos pacientes forem incorretamente informados, a probabilidade de resultados falso-positivos aumenta consideravelmente.

Fontes de Pesquisa:
- http://apps.unibrasil.com.br/revista/index.php/saude/article/view/342/271

05. Julho 2013 by admin
Categories: Cancerologia (Oncologia), Distúrbios Gastrointestinais, Doenças do sistema digestivo, Gastroenterologia (Gastrenterologia) | 3 comments

Comentários no Forum (3)

  1. Gostei muito do assunto.Tirei as minhas duvidas…foi muito bem explicado

  2. Gostei muito da explicação..

  3. Não tenho os sintomas citados para se fazer o exame mas minha médica pediu pois estou no climatério. muito bom o artigo e esclarecedor .

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Required fields are marked *