A próstata é um órgão exclusivamente masculino, pois faz parte do sistema reprodutor do homem. Está localizado logo abaixo da bexiga, de frente para o reto, envolvendo a uretra (canal que tem como função transportar tanto a urina como o sémen para o exterior).

A próstata é uma glândula que produz uma secreção, que juntamente com a secreção produzida pela vesícula seminal e com os espermatozoides formados nos testículos, constituem o esperma. Além disso, tem também a função de transformar a testosterona em dihidrostesterona. Esta, além de outras funções, tem a responsabilidade de controlar o crescimento da próstata.

O seu tamanho, num homem adulto, é aproximadamente o de uma ameixa, pesando cerca de 20 g. Até à puberdade, a próstata tem um crescimento pouco significativo, mas a partir do momento em que a atividade sexual começa a ser mais intensa, cresce rapidamente até atingir as dimensões referidas atrás. A partir dos 30 anos, a próstata começa a ter um crescimento constante, estando esse facto comprovadamente relacionado com o avançar da idade.

Sintomas da prostata

Doenças relacionadas com a próstata

Existem diversas doenças relacionadas com a próstata, sendo as prostatites, o câncer de próstata ou cancro da próstata e a hiperplasia prostática benigna, as principais. Qualquer uma delas tem como efeito o aumento do volume da próstata.

Tendo em conta a proximidade desta glândula com a bexiga e com a uretra, é fácil perceber que esse aumento terá efeitos significativos no funcionamento do sistema urinário. Assim, esta proximidade perigosa da próstata com o sistema urinário acabará por ter resultados negativos se ocorrer hiperplasia (crescimento exagerado na próstata), afetando o funcionamento da bexiga, a passagem da urina, e dessa maneira, afetar negativamente a função renal.

Os problemas provocados pela obstrução da próstata no sistema urinário podem ser classificados em dois tipos: os sintomas obstrutivos e os sintomas irritativos. Os sintomas obstrutivos são aqueles que alteram o normal fluxo da urina. Já os sintomas irritativos dizem respeito às consequências negativas provocados pela alteração normal da urina.

No entanto, é importante referir que o crescimento anormal da próstata não traz sintomas dolorosos. Ou seja, a não ser que faça exames regulares à próstata, ou que os sintomas daí resultantes comecem a ser bastante evidentes, o diagnóstico não é fácil de fazer. Assim, a melhor forma de prevenir as doenças da próstata é através de exames anuais à glândula prostática (mesmo que não haja quaisquer sintomas que indiquem a doença), especialmente a partir dos 40/45 anos. De seguida, apresentamos as três doenças mais comuns na próstata, e os sintomas manifestados em cada uma delas.

Câncer de próstata

O cancro da próstata é hoje em dia o tumor mais frequente em indivíduos de sexo masculino, estando já à frente de outros câncers como o do cólon e pulmão, igualmente frequentes em homens.

Saiba mais sobre o Câncer – Tratamento, Causas, Fatores de Risco, Sinais, Sintomas e como Diagnosticar.

Contudo, devido a várias características, entre as quais o crescimento lento e suave, resultado de um comportamento biológico pouco constante, provoca menos mortes que os cancros do cólon e pulmão. Os sintomas provocados pelo câncer de próstata apenas se manifestam quando a doença se encontra num estado já avançado, numa fase em que atinge a cápsula prostática.

Numa fase inicial, assintomática, apenas com exames de prevenção ou de rotina é que é possível verificar a existência de cancro. Assim, a realização de exames de verificação da próstata, o toque retal, justifica-se para homens com idade igual ou superior a 50 anos. O toque retal é a forma mais eficaz para diagnosticar precocemente o cancro da próstata.

O quadro geral de sintomas do cancro da próstata inclui:

– Dificuldade em controlar o fluxo da urina, ou mesmo incapacidade de urinar;
– Problemas urinários;
– Fluxo fraco ou intermitente de urina;
– Presença de sangue no esperma ou na urina;
– Micção muito frequente, especialmente durante a noite (Leia: Urina em Excesso – O que pode ser, Causas);
– Sensação de ardor e dor durante o ato de urinar;
– Dificuldade na ereção;
– Dores na zona lombar, superior das coxas e nas ancas.

A presença destes sintomas não quer necessariamente dizer que exista um câncer de próstata. Há um conjunto de outras doenças, mesmo na próstata, que podem provocar alguns destes sintomas. Assim, apenas o médico poderá diagnosticar o problema. Desta forma, se sentir qualquer um destes sintomas, consulte o seu médico, de forma a poder fazer os exames necessários para perceber o que está por trás desses sinais.

Como referimos atrás, o cancro da próstata não causa dor nas suas fases iniciais. Sendo assim, não espere até sentir dor para consultar um médico. E se tiver mais que 45 anos, deverá fazer anualmente um exame de rotina, de forma a poder ser diagnosticado precocemente o cancro, e dessa maneira, aumentar as probabilidades de cura.

Prostatite (Próstata Inflamada)

Uma prostatite é a designação genérica para uma infecção ou inflamação da próstata. Muito frequente em homens adultos, e mais raramente em indivíduos mais jovens, este problema é mais incidente quanto maior for a idade do paciente. Esta é a doença urológica mais frequente nos homens, sendo responsável por 25% de todas as consultas relacionadas com o aparelho genital e reprodutor masculino. Estima-se que aproximadamente metade dos homens tenham algum tipo de prostatite durante a sua vida.

Sendo uma infecção, a prostatite é causada pela invasão e propagação de microrganismos, entre os quais bactérias, que atingem a próstata através de várias formas, entre as quais os rins, a bexiga, ou até mesmo, através de um contacto sexual não protegido com outra pessoa que sofra de algum tipo de infecção na sua zona genital.

No entanto, uma prostatite pode também ser resultado, não de uma infecção, mas sim, de uma simples inflamação. Por exemplo, em caso de hiperplasia prostática benigna, um dos efeitos é o refluxo de urina após urinar, o que origina que a urina entre na próstata. Devido a uma substância existente na urina, os tecidos da próstata irritam-se, acabando por inflamar.

Tendo em conta as várias possíveis causas para a prostatite, podemos então dividir esta doença em dois tipos: prostatite infecciosa e prostatite não infecciosa. No primeiro caso, podemos considerar as prostatites infecciosas agudas, devido à invasão e propagação rápida de agentes infecciosos, e as prostatites infecciosas crónicas, com uma evolução mais gradual e suave, mas caracterizada por cistites (infecção da bexiga) repetidas. No segundo caso, por alguma causa conhecida ou desconhecida, os tecidos da próstata inflamam, provocando a prostatite.

O quadro geral de sintomas da prostatite é composto por várias manifestações:

– Febre;
– Calafrios;
Hematúria (sangue na urina);
– Ardor ou dor durante a micção;
– Dificuldade para começar a urinar;
– Fluxo fraco de urina;
– Dificuldade em controlar a micção;
– Urina com odor particularmente desagradável;
– Mal-estar ou dor no abdómen, acima da zona púbica, na zona entre o pénis e o ânus, nos testículos ou na região lombar;
– Dor durante a ejaculação;
– Presença de sangue no esperma.

Hiperplasia Prostática Benigna (HPB)

A hiperplasia prostática benigna (HPB), também denominada de hiperplasia benigna da próstata, caracteriza-se pelo crescimento benigno da próstata. Este problema geralmente afeta homens a partir dos 40 anos, e pode ter como efeito a redução da largura da uretra, dificultando o ato de urinar.

O crescimento excessivo da próstata ocorre devido ao aumento de células (hiperplasia) da próstata, nomeadamente do epitélio e do estroma, o que vai originar o desenvolvimento de nódulos na zona periuretral da próstata. Quando estes nódulos são bastante grandes, eles irão fazer pressão sobre a uretra, o que provoca o seu estreitamento. Este estreitamento pode ser incompleto ou completo, o que irá interferir com a passagem da urina, com todas as consequências que isso traz ao funcionamento urinário.

Os sintomas da hiperplasia prostática benigna podem ser classificados em dois grupos: obstrutivos e irritativos.

Sintomas obstrutivos:
– Intermitência do fluxo da urina;
– Incapacidade de esvaziar devidamente a bexiga;
– Fluxo fraco da urina;
– Aumento do tempo necessário para urinar (hesitância urinária).

Sintomas irritativos:
– Alteração dos hábitos miccionais;
– Urgência súbita de urinar;
– Acréscimo do número de vezes que têm de urinar.

Esta doença pode aparecer e desenvolver-se de forma gradual, mas progressiva, se nada for feito para a tratar. Como tal, o conjunto de sintomas revelados atrás irão resultar em novos problemas e novos sintomas, entre os quais:

– O aumento do risco de infecções urinárias (devido à incapacidade de esvaziar a bexiga, aumentando o perigo de acumulação de bactérias nesse órgão);
– Formação de pedras na bexiga (devido à cristalização dos minerais que ficam na urina que não é esvaziada);
– A retenção urinária (devido ao não esvaziamento total da bexiga) pode agravar-se com o tempo, podendo evoluir para insuficiência renal.

Saiba mais sobre: Insuficiência Renal Crônica.