Tratamento para Artrite Reumatoide

O objetivo do tratamento para a artrite reumatoide é a redução da inflamação nas articulações, aliviar a dor, prevenir ou diminuir a deterioração das articulações, reduzir a incapacidade e apoiar o paciente na manutenção de uma vida o mais possível ativa.

O que é um bom cuidado de saúde para artrite reumatoide?

Existem fortes evidências de que o tratamento e suporte precoce podem reduzir a deterioração das articulações e limitar o impacto da artrite reumatoide. Algumas Mudanças no estilo de vida, tratamentos com ou sem drogas, e cirurgia, podem ajudar a reduzir os efeitos negativos da artrite reumatoide.

Existem muitos medicamentos diferentes que são usados no tratamento da artrite reumatoide. Alguns têm como objetivo aliviar os sintomas, e outros, ajudar a diminuir a velocidade da progressão da doença. Cada pessoa que sofre de artrite reumatoide sente a doença de forma diferente, e por isso, pode demorar algum tempo até se descobrir a melhor combinação de medicamentos para as necessidades de cada um. Alguns dos vários medicamentos que podem ser prescritos estão descritos em baixo.

Analgésicos

Os analgésicos têm como principal função reduzir a dor, mas não a inflamação, e são usados para controlar os sintomas da artrite reumatoide. O analgésico mais comummente prescrito é o paracetamol. Codeína é outro analgésico que por vezes pode ser prescrito num medicamento combinado com paracetamol (conhecido como co-codamol).

Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs)

O seu médico pode prescrever um anti-inflamatório não esteroide (AINE) para aliviar a dor e o inchaço das articulações. Existem dois tipos de AINEs e eles funcionam de formas ligeiramente diferentes. Existem os tradicionais AINEs, tal como o ibuprofeno, naproxeno ou diclofenaco, e os inibidores de COX-2 (muitas vezes chamados de coxibs), tal como o celecoxib ou etoricoxib. Os AINE ajudam a aliviar a dor e a rigidez, além de reduzirem a inflamação. No entanto, eles não irão retardar a progressão da artrite reumatoide.

O seu médico irá discutir consigo o tipo de AINE que deverá tomar e quais os benefícios e riscos associados a cada um deles. Os comprimidos de anti-inflamatórios não esteroides podem não ser adequados para quem tem asma, úlcera péptica, angina, ou se já tiver tido um ataque de coração ou um AVC.

Se estiver a tomar uma dosagem leve de aspirina, questione o seu médico se deverá usar os anti-inflamatórios não esteroides. Tomar comprimidos de AINE pode aumentar o risco de problemas estomacais graves, tais como uma hemorragia interna. Tomar um anti-inflamatório não esteroide pode perfurar a camada que protege as paredes do estômago contra os ácidos do ácido gástrico.

Apesar de o risco ser sério, esta situação não é muito comum. De acordo com alguns estudos, apenas uma pessoa entre 2000 a 3000 pessoas a tomar anti-inflamatórios não esteroides terá uma hemorragia no estômago. Os agentes de COX-2 envolvem um risco menor de problemas graves no estômago, mas implicam o risco de ataques de coração e AVC.

Se lhe forem prescritos anti-inflamatórios não esteroides, muito provavelmente terá de tomar outro medicamento também, tal como os Inibidores da bomba de protões/prótons (IBP). Tomar um Inibidor da bomba de protões irá reduzir a quantidade de ácido no estômago, o que irá diminuir significativamente o risco de danos na camada do estômago, provocado pelos anti-inflamatórios não esteroides.

Corticosteroides

Os corticosteroides ajudam a reduzir a dor, rigidez e inchaço. Podem ser tomados através de comprimidos (como por exemplo, a prednisolona) ou de uma injeção no músculo (para ajudar várias articulações). São normalmente utilizados quando os AINEs (anti-inflamatórios não esteroides) falham no alívio destes sintomas.

Se tiver apenas uma articulação inflamada ou inchada, o seu médico poderá injetar o esteroide na articulação. O alívio é rápido e o efeito pode durar desde algumas semanas, até vários meses, dependendo da gravidade da doença. Ao corticosteroides são apenas usados numa lógica de curto prazo, pois o seu uso a longo prazo pode ter efeitos secundários graves. Estes incluem o ganho de peso, osteoporose (enfraquecimento dos ossos), facilidade em se ferir, enfraquecimento muscular e diminuição da espessura da pele. Os corticoides podem também piorar um quadro de diabetes e glaucoma (doença nos olhos).

Drogas Anti-Reumáticas Modificadoras da Doença (DMARDs)

As Drogas Anti-Reumáticas Modificadoras da Doença ajudam a aliviar os sintomas e a diminuir a velocidade de progressão da artrite reumatoide. Quando os anticorpos atacam os tecidos das articulações, eles produzem químicos que podem causar novos danos nos ossos, tendões, ligamentos e cartilagem. O funcionamento das Drogas Anti-Reumáticas Modificadoras da Doença consiste no bloqueio dos efeitos desses químicos. Quanto mais cedo começar a tomar as DMARDs, mais eficazes serão. Existem muitas Drogas Anti-Reumáticas Modificadoras da Doença convencionais, tais como o metotrexato, leflunomida, hidroxicloroquina e sulfassalazina.

O Metotrexato é muitas vezes a primeira droga usada na artrite reumatoide. Pode ser tomado em combinação com outra DMARD. Os efeitos secundários mais comuns do metotrexato são enjoos, diarreia, úlceras na boca (úlceras orais), perda de cabelo ou de espessura do cabelo, e erupções na pele.

Por vezes, o metotrexato pode influenciar a contagem sanguínea e afetar o fígado, e por isso, terá de fazer regularmente exames sanguíneos para monitorização.

Mais raramente, pode também afetar os pulmões. Assim, quando começar a tomar o metotrexato, normalmente é feito um Raio-X ao tórax, e possivelmente também alguns testes respiratórios, de forma a ter uma comparação que permita verificar se houve aparecimento de perda de ar ou tosse seca persistente durante a toma do medicamento.

No entanto, muitas pessoas toleram bem o metotrexato, e por volta de metade daqueles que começaram a medicação, continuarão a tomar passados 5 anos. O Metotrexato pode também ser combinado com tratamentos biológicos (ver em baixo). Pode demorar entre 4 a 6 meses até notar os efeitos das Drogas Anti-Reumáticas Modificadoras da Doença. Assim, é importante manter a toma do medicamento, mesmo que na fase inicial não note diferenças. Poderá ter de experimentar dois ou três tipos de DMARDs antes de encontrar aquele que mais se adequa ao seu organismo. Depois de você e o médico perceberem qual é a Droga Anti-Reumática Modificadora da Doença mais adequada para si, irá tomar esse medicamento durante um longo período.

Tratamentos biológicos

Os tratamentos biológicos são uma nova forma de tratar a artrite reumatoide. Estes incluem os inibidores do fator de necrose tumoral alfa. (TNF) (etanercept, infliximabe, adalimumabe e certolizumabe pegol), rituximabe e tocilizumabe. Eles são normalmente tomados em combinação com o metotrexato ou outras DMARDs. O seu funcionamento consiste em impedir determinados químicos no sangue de ativar o sistema imunitário, o que levaria a um ataque à camada que reveste as articulações. Os tratamentos biológicos não são adequados para todos os pacientes.

Os inibidores do TNF-alfa estão normalmente apenas disponíveis para quem já tentou anteriormente o metotrexato ou outra DMARD na dosagem habitual, e a sua artrite reumatoide continua bastante ativa.

Em Inglaterra o Rituximabe e o tocilizumabe são recomendados pelo NICE www.nice.org.uk (Instituto Nacional para a Saúde e Excelência Clínica) em combinação com o metotrexato, para artrites reumatoides severas, e apenas para quem já tentou as DMARD e um dos inibidores TNF, e mesmo assim, continua com a artrite reumatoide bastante ativa.

Os efeitos secundários dos tratamentos biológicos são geralmente leves e incluem algumas reações da pele no local da injeção, infecções, náuseas, febre e dores de cabeça. Algumas pessoas podem ter um risco mais elevado de desenvolver problemas graves, incluindo as pessoas que tiveram tuberculose (TB), septicemia ou hepatite B no passado. Há um pequeno risco de que os tratamentos biológicos podem reativar essas condições e, em casos raros, provocar novos problemas autoimunes.

Cirurgia

Por vezes, apesar da medicação, podem ocorrer danos nas articulações. Você pode precisar de realizar uma cirurgia para ajudar a restaurar a sua capacidade de usar as suas articulações. A cirurgia também pode reduzir a dor e corrigir algumas deformidades.

Cirurgia de dedos e mãos para corrigir problemas nas articulações

Existem diferentes tipos de cirurgias para corrigir problemas de articulações nas mãos. Os exemplos incluem:

– Libertação do túnel do carpo (corta-se um ligamento no pulso para aliviar a pressão sobre um nervo);
– Libertação dos tendões dos dedos para tratar a curvatura anormal;
– Remoção do tecido inflamado que reveste as articulações dos dedos.

Se for necessária cirurgia nos pulsos e dedos, o pulso será intervencionado em primeiro lugar.

Artroscopia

A artroscopia remove o tecido inflamado da articulação. Um tubo fino com uma fonte de luz é inserido dentro da articulação através de uma pequena incisão na pele para que o cirurgião possa ver o interior. Os Instrumentos são inseridos através de outros pequenos cortes na pele para remover o tecido danificado. Normalmente não é necessário o paciente passar a noite no hospital neste tipo de cirurgia, e depois disso deverá descansar a articulação em casa durante vários dias.

Artroplastia

A artroplastia substitui parte ou a totalidade de uma articulação do quadril ou joelho, e pode envolver um período longo de internamento hospitalar. Dependendo de quais articulações forem reformuladas, pode levar desde várias semanas até alguns meses de reabilitação, para recuperar totalmente.

Substituição da articulação

A substituição da articulação do quadril, joelho ou ombro, é uma grande operação que envolve 4 a 10 dias no hospital, seguido de meses de reabilitação. As novas articulações têm uma duração limitada de 10 a 20 anos. Elas não são perfeitas e algumas funções podem não ser restauradas depois da articulação danificada ser substituída por uma nova.

Tratamentos de apoio

O seu médico pode também aconselhar-lhe outros serviços que podem ajudá-lo com os seus sintomas da artrite reumatoide.

Fisioterapia

Um fisioterapeuta pode ajudá-lo/a a melhorar a sua forma física, força muscular, e tornar as articulações mais flexíveis. Estes profissionais podem também ajudar no alívio da dor, através de sacos de gelo ou calor, e ainda, através da neuroestimulação elétrica transcutânea (TENS). O aparelho que realiza a eletroestimulação transcutânea aplica um pequeno sinal elétrico na articulação afetada, que entorpece as terminações nervosas, podendo assim ajudar a aliviar a dor da artrite reumatoide.

Terapia ocupacional

Se a artrite reumatoide causa-lhe problemas com as tarefas diárias, ou se for cada vez mais difícil movimentar-se, então nestes casos a terapia ocupacional pode ajudar. O terapeuta ocupacional fornece treino e conselhos sobre como proteger as suas articulações, seja em casa ou no trabalho. Pode também recomendar algum tipo de suporte para as suas articulações, tal como uma tala, e ainda, alguns dispositivos disponíveis que podem ajudar-lhe a abrir frascos, torneiras, etc.

Podologia

Se você tiver problemas com os pés, o podólogo pode ser capaz de o ajudar. O podólogo pode também aconselhar algum tipo de suporte para as suas articulações, ou palmilhas para usar no seu calçado, que podem aliviar as dores.

Terapias complementares e alternativas

óleo de peixe

Muitas pessoas com artrite reumatoide tentam as terapias complementares. Na maioria dos casos, existem poucas ou nenhumas provas de que essas terapias são eficazes no tratamento dos sintomas da artrite reumatoide. Estas incluem massagem, acupuntura, osteopatia, quiropraxia, hidroterapia, eletroterapia e suplementos nutricionais, incluindo o sulfato de glucosamina, condroitina e o óleo de peixe.

Conheça os principais Sintomas da doença