Vírus Sincicial Respiratório

O vírus sincicial respiratório é um vírus que causa uma doença infecciosa e viral, que é uma doença contagiosa.

Esta infecção poderá ser transmitida de uma forma bastante simples, sendo por exemplo transmitido através das partículas do ar.

O vírus sincicial respiratório é causador de problemas que afectam os pulmões, causando infecções pulmonares, entre as quais se encontram bronquiolites e pneumonias, em bebés e crianças pequenas. Geralmente, os bebês até aos 6 meses de vida são mais afectados por este vírus e com consequências geralmente mais graves.

Em pessoas mais velhas ou com deficiências ou problemas ao nível pulmonar poderão também sofrer dos sintomas deste vírus, embora crianças mais velhas e adultos geralmente tenham o seu sistema imunitário mais fortalecido no sentido de atenuar este problema.

Pessoas com doenças pulmonares crónicas, por exemplo, encontram-se igualmente mais fragilizadas.

O problema aqui relatado apresenta diversos sintomas, sendo que os principais são geralmente uma sensação de dificuldade em respirar, nariz entupido e um barulho (um chiar) na zona do peito durante a respiração.

Conforme já referido, é um vírus que contagia de forma fácil. Nomeadamente, um espirro, tosse, ou a própria respiração, serão suficientes para contaminar o ambiente.

Relativamente ao diagnóstico deste problema, geralmente este é realizado através da detecção dos sintomas. Não existem exames específicos e mais avançados que sejam necessários de se efectuar para confirmar a presença do vírus sincicial respiratório.

Devido ao contágio poder ser feito pelo ar, mas igualmente por contacto, a forma de conseguir prevenir infecções centra-se muito em questões de higiene. A lavagem frequente as mãos, por exemplo, é fundamental.

Mais fundamental ainda se torna quando temos filhos bebés ainda muito novos, pois podemos contaminá-los facilmente por contacto que tenhamos tido com alguém ou algo contaminado.

Os tratamentos actualmente existentes para este problema centram-se na toma de medicamentos que permitem combater a instalação e propagação do vírus.

Para além disso, existem vacinas capazes de criar anticorpos contra este vírus. Esta vacina pode ser administrada nos bebés, especialmente em bebés que tenham nascido antes do período normal (bebés prematuros).